Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Trump convida Putin para encontro na Casa Branca

MIKHAIL KLIMENTYEV/AFP/Getty Images

Presidente norte-americano propôs uma reunião com o seu homólogo russo nos EUA. Não foi ainda definida uma data para o possível encontro

No meio de uma crise diplomática após o envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal, Donald Trump convidou Vladimir Putin para um encontro na Casa Branca. O convite foi feito através de uma conversa telefónica entre os dois líderes no passado dia 20 de março, avança o conselheiro do Kremlin.

“Durante o telefonema entre os dois Presidentes [dos EUA e Rússia], Trump sugeriu que o primeiro encontro tivesse lugar em Washington. Se tudo correr bem espero que os EUA não recuem na proposta de se discutir a possibilidade de organizar essas conversações”, declarou Yury Ushakov, conselheiro do Presidente russo, em conferência de imprensa.

Não foi ainda definida uma data para o encontro entre os dois líderes. Moscovo sublinha, contudo, que após a conversa telefónica entre Trump e Putin, “as relações bilaterais deterioraram-se novamente”: os EUA anunciaram mais medidas como a expulsão de 60 diplomatas russos e o encerramento do consulado russo em Seattle, que levaram a outras medidas de retaliação por parte de Moscovo.

“Desde o dia 20 de março – o dia em que ocorreu a conversa telefónica – não houve discussões sobre o possível encontro. Queremos acreditar que as discussões sobre a cimeira vão começar. Queremos acreditar de que, num dia, num momento ou outro, possamos chegar ao início de um diálogo sério e construtivo”, acrescentou Yury Ushakov.

O ex-espião russo Serguei Skripal e a sua filha Yulia foram encontrados inconscientes no passado dia 4 de março em Salisbury, no Reino Unido, após terem sido envenenados com um gás tóxico de fabrico russo. O Reino Unido responsabiliza Moscovo pelo envenamento, mas o MNE russo insistiu esta segunda-feira que a Rússia não teve qualquer interferência no caso.

Desde o início da crise entre a Rússia e o Ocidente foram expulsos cerca de 300 diplomatas.