Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Sismo no Irão e Iraque: são já 397 mortos e 7000 feridos

SHWAN MOHAMMED/GETTY

Oito aldeias da fronteira entre os dois países ficaram quase totalmente devastadas. Abalo foi sentido em inúmeros países do Médio Oriente

Pelo menos 396 pessoas morreram e cerca de 7000 ficaram feridas na sequência de um poderoso sismo que, este domingo, abalou a região do Médio Oriente, com epicentro situado na zona fronteiriça entre o Iraque e o Irão.

As zonas mais afetadas ficam do lado do Irão, com pelo menos 207 mortos registados na província iraniana de Kermanshah, e pelo menos seis no Iraque. As autoridades dizem que o balanço de mortos deverá aumentar à medida que as equipas de resgate forem recuperando os corpos das vítimas.

O sismo de magnitude 7.3 na escala de Richter teve epicentro a 32 km da cidade de Halabjah, administrada pelo Governo Regional do Curdistão, e a uma profundidade de 33,9 km, apontou o Serviço Geológico dos Estados Unidos.

As informações mais recentes da televisão iraniana falam em 207 vítimas na província de Kermanshah, junto à fronteira com o Iraque. A televisão citou um funcionário de serviços de emergência dizendo que muitas das vítimas estavam na cidade de Sarpol-e Zahab, a cerca de 15 km da fronteira, quando a terra tremeu. No Iraque, as autoridades já confirmaram a existência de seis mortos e de 50 feridos.

A televisão do Irão avança que pelo menos oito aldeias fronteiriças ficaram devastadas. A área ficou sem eletricidade e muitas equipas de emergência passaram a noite no local. O sismo ocorreu às 18h18 de domingo (hora de Lisboa) e foi sentido em vários países do Médio Oriente e do Golfo Pérsico. A agência de notícias do Kuwait confirmou que o abalo se fez sentir no país, mas com intensidade menor, entre 4 e 5 graus na escala de Richter, sem provocar vítimas.

No lado iraquiano, o dano mais extenso foi na cidade de Darbandikhan, a 75 km a leste de Sulaimaniyah, na região semiautónoma do Curdistão. Mais de 30 pessoas ficaram feridas na cidade e, de acordo com o ministro curdo da Saúde citado pela Reuters, "a situação é muito crítica". O principal hospital do distrito estava gravemente danificado, forçando a transferência dos feridos para outras cidades.

O terramoto sentiu-se também na cidade de Kirkuk, danificando habitações e obrigando os habitantes a saírem dos edifícios para a rua.

Habitantes de várias províncias iraquianas contactadas pela agência EFE contaram que o sismo teve a duração de vários minutos. Por agora, não há um balanço oficial sobre a extensão dos danos, quer no Iraque, quer no Irão. Esta será uma noite de sofrimento e caos para a população da zona fronteiriça.

O sismo foi sentido nas capitais dos dois países (Bagdad e Teerão), mas não provocou danos, apesar do pânico se ter instalado. Em Bagdad houve quem julgasse tratar-se de uma explosão e os habitantes saíram para a rua.

(Notícia atualizada às 13h24)