Siga-nos

Perfil

Expresso

Actualidade

Ciência: Bióloga portuguesa descobre insectos desconhecidos mundialmente

Santarém, 24 Mar (Lusa)- Duas espécies de escaravelhos, até aqui desconhecidas mundialmente, foram descobertas pela bióloga portuguesa Sofia Reboleira em grutas da Serra d'Aire e Candeeiros, o único habitat destes insectos que se conhece em todo o mundo.

Santarém, 24 Mar (Lusa)- Duas espécies de escaravelhos, até aqui desconhecidas mundialmente, foram descobertas pela bióloga portuguesa Sofia Reboleira em grutas da Serra d'Aire e Candeeiros, o único habitat destes insectos que se conhece em todo o mundo.

"Só se conhecia uma espécie de escaravelho cavernícola do maciço calcário estremenho [característico da Serra d'Aire e Candeeiros] e passamos a conhecer três", afirmou à agência Lusa a bióloga e espeleóloga da Universidade de Aveiro, Sofia Reboleira.

No âmbito da realização da sua Tese de Mestrado, a cientista desceu a cerca de cem metros de profundidade e foi surpreendida com a descoberta de dois novos escaravelhos que habitam exclusivamente no subsolo das grutas da Serra d'Aire e Candeeiros.

"Só existem numa parte daquelas grutas e em mais lado nenhum do mundo", frisou.

Sofia Reboleira explicou tratar-se de "espécies em vias de extinção", uma vez que pelo facto de estarem confinadas a um único habitat têm uma "população extraordinariamente reduzida" e são muito "sensíveis à poluição e às alterações do habitat" .

Por outro lado, "não sobrevivem" à superfície e "apenas se reproduzem no interior das grutas", fazendo depender dessa condição de isolamento e privação da luz algumas das suas características, como o aspecto despigmentado ou os olhos reduzidos, a que a própria evolução da espécie os conduziu.

As três espécies de escaravelhos, que se distinguem pelas características genitais do macho, provêm contudo de uma espécie ancestral comum que se foi reproduzindo, criando diferenças que deram origem a novas espécies.

As duas novas espécies do escaravelho do maciço calcário estremenho vão ser pela primeira vez divulgadas à comunidade científica mundial, num artigo que irá ser publicado em Maio numa revista alemã da especialidade.

A descoberta remonta ao ano de 2007, altura em que a revista National Geographic publicou um artigo sobre o trabalho de campo desenvolvido pela bióloga no âmbito da tese de mestrado (no Departamento de Biologia da Universidade de Aveiro), que veio a apresentar em Dezembro do mesmo ano, sob a orientação científica dos docentes Fernando Gonçalves, do Departamento de Biologia da Universidade de Aveiro, e Artur Serrano, da Faculdade de Ciências de Lisboa.

FYC.

Lusa/Fim