Siga-nos

Perfil

Expresso

Edição Impresa - Antecipação

Nascer em Portugal, nascer em França

A natalidade portuguesa chegou ao nível mais baixo de sempre, mas as políticas sociais não apoiam as famílias com mais filhos, como acontece em França.

Virgílio Azevedo, Cândida Santos Silva e Daniel Ribeiro

São duas famílias com três filhos pequenos, separadas por mais de dois mil quilómetros de distância, entre Lisboa e Paris. E separadas também por duas políticas sociais bem diferentes para os casais que têm três ou mais filhos, isto é, um valor superior ao número mágico de 2,1 filhos por mulher que permite a renovação de gerações. Em Portugal, as políticas de apoio à família são inconsistentes, contraditórias, escassas e não se dirigem à generalidade da população.

Em França são das mais generosas e diversificadas da Europa, permitem uma grande liberdade de escolha aos pais, e têm características universais, porque a sua lógica é premiar quem tem mais filhos, independentemente do seu nível de rendimento. E os resultados estão à vista: em 2006 a França atingiu os dois filhos por mulher, enquanto Portugal caiu para os 1,36.

Leia mais na edição de amanhã do Expresso em banca, ou clique aqui para ler na versão e-paper (pdf inteligente para assinantes, disponível a partir das 00h01 de sábado)