Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

TGV: PSD quer suspender projeto pelo menos por 3 anos

Anúncio de projeto de resolução do PSD a recomendar a suspensão do TGV foi feito durante a reunião da comissão parlamentar de Obras Públicas, Transportes e Comunicações, em que está a ser ouvido o ministro António Mendonça

"O PSD apresentará hoje um projeto de resolução para recomendar a suspensão da construção das linhas de TGV por um período não inferior a três anos", anunciou hoje o deputado do PSD Jorge Costa. 

O anúncio foi feito durante a reunião da comissão parlamentar de Obras Públicas, Transportes e Comunicações, em que está a ser ouvido o ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, António Mendonça. 

O deputado do PSD questionou o ministro sobre a forma como o comboio de alta velocidade vai entrar em Lisboa, devido à anulação do concurso para o segundo troço da linha Lisboa-Madrid, referente a ligação entre Lisboa e o Poceirão, que integra a terceira travessia do Tejo. 

"Como é que o TGV vai chegar a Lisboa? Qual é a solução que o Governo tem para os passageiros chegarem a Lisboa?", questionou Jorge Costa, afirmando que existe o "risco" de ser construído uma linha de alta velocidade que "vai unir duas localidades com cerca de quatro mil habitantes". 

Paragem no Piceirão "não se coloca"

Na resposta, o ministro das Obras Públicas afirmou que a hipótese da linha de alta velocidade entre Lisboa e Madrid parar no Poceirão "não se coloca" e garantiu a concretização da ligação Lisboa-Poceirão. "É óbvio que a ligação entre Lisboa e o Poceirão terá de ser feita", disse António Mendonça. 

O deputado do PSD afirmou discordar com o desvio de verbas "de outros projetos para a terceira travessia do Tejo" e disse ser possível negociar as verbas comunitárias atribuídas no âmbito da Rede Transeuropeia de Transportes.

O secretário de Estado dos Transportes, Correia da Fonseca, disse à Lusa, na sexta feira, que os fundos comunitários que estavam previstos para as linhas Lisboa-Porto e Porto-Vigo, que foram adiadas por dois anos, seriam canalizados para a terceira travessia. 

"Os fundos comunitários que estavam previstos para o projeto de alta velocidade Lisboa-Porto e Porto-Vigo iriam ser perdidos devido ao facto de ser adiado por dois anos. Para não perdermos (este dinheiro) vamos utilizá-lo na terceira travessia", explicou, na altura, Correia da Fonseca. 

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.