Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Telefónica preparada para usar tudo contra a PT

Guerra aberta entre as operadoras ibéricas pelo controlo da brasileira Vivo. A imprensa espanhola diz que a Telefónica usará todas as armas para fazer frente à PT

A espanhola Telefónica está disposta a usar todas as suas armas contra a PT, para conseguir o controlo da brasileira Vivo, no que é já uma guerra aberta entre as operadoras ibéricas, segundo a imprensa espanhola de hoje.

A tensão crescente entre os dois sócios da Vivo domina hoje parte da imprensa económica espanhola, suscitando um editorial no jornal "Cinco Dias" que defende que uma decisão sobre a venda da participação da PT na Vivo deveria ser deixada exclusivamente ao mercado.

"A negativa dos portugueses perante a oferta dos espanhóis deixa mãos livres para que a Telefónica analise outras fórmulas, use todas as suas armas, incluindo uma OPA hostil sobre a empresa portuguesa, para conseguir o controlo da Vivo", escreve o jornal.

"Deixemos que os acionistas, as forças do mercado decidam. E, se possível, sem interferências de nacionalismos anacrónicos", refere.

Todo tipo de intimidações

A imprensa espanhola sustenta que a Telefónica parece preparada para usar "toda a sua artilharia pesada" contra a PT, numa batalha que "inclui todo o tipo de intimidações" à operadora portuguesa, como escreve o "Cinco Dias".

Além da OPA hostil, a Telefónica está preparada para asfixiar a PT impedindo a distribuição de dividendos da Vivo ou até mesmo "afundar" a operadora portuguesa vendendo em bolsa os 10 por cento que detém da PT.

Numa primeira fase, a operadora espanhola vai tentar convencer alguns dos principais acionistas da PT, nomeadamente Barclays, Brandes, Deutsche Bank, BlackRock, UBS e Credit Suisse, de que aceitem a oferta de 5700 milhões de euros pelos 50% que a PT detém na Vivo.

Em alternativa, já se fazem contas a uma eventual OPA hostil, que segundo a imprensa seria "comportável" para a Telefónica, já que a PT custaria "entre 7000 e 14 mil milhões de euros".

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico***

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.