Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Sindicato denuncia despedimentos na Brisa

Os trabalhadores estão apreensivos com a anunciada introdução de máquinas de cobrança nas portagens.

Alexandre Coutinho (www.expresso.pt)

O Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP) acusa a Brisa de estar a promover "um despedimento massivo, encapotado por rescisões por mútuo acordo de trabalhadores, para serem substituídos por máquinas", situação que considera "absolutamente inaceitável, tanto mais que se trata de uma empresa que apresenta, desde sempre, lucros excepcionais, concessionária de serviços públicos e ex-pública", pode ler-se num comunicado enviado às redacções. 

"A substituição de trabalhadores por máquinas pode redundar na perda de mais de 1000 postos de trabalho", afirma o CESP. De acordo com o mesmo sindicato, os contratos a termo certo não serão renovados e os trabalhadores das empresas de trabalho temporário passarão a ser utilizados apenas em períodos de 'pico' e férias. 

Rescisão voluntária 

A proposta da empresa para quem se candidate à rescisão voluntária corresponde a "uma indemnização de dois meses de salário base mais diuturnidades por cada ano de antiguidade, com valor mínimo de 35 mil euros para trabalhadores a tempo completo. Para trabalhadores com horário parcial será calculado o respectivo valor proporcional", explica o sindicato. 

A Brisa reconhece ter dado início a um processo de rescisões por mútuo acordo dirigido aos portageiros, mas recusa que o mesmo esteja associado à colocação das novas máquinas, com entrada em funcionamento a partir de Setembro e instalação total no final de 2010.

Ao todo, serão instaladas mais de duas centenas de máquinas de pagamento automático. As vias com maior incidência de introdução de máquinas serão as autoestradas A2 (excepto em Paderne), A3, A4, A6 (todas as portagens, excepto Elvas e Évora), A13, A9 e A10. Face à gravidade da situação, o CESP convocou uma reunião de todas as organizações representativas dos trabalhadores, para o próximo dia 5 de Junho, para analisar a situação e definir as medidas a adoptar.