Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Quanto vale a TAP, afinal?

Ricardo Cabral, professor de Economia na Universidade da Madeira, fez as contas e diz que Germán Efromovich deveria oferecer mais 680 milhões de euros pela TAP, além dos 20 milhões anunciados na semana passada.

Margarida Fiúza (www.expresso.pt)

A proposta de Germán Efromovich, o único candidato à privatização da TAP, "devia ser recusada". Quem o diz é o professor de Economia, Ricardo Cabral, que se propôs avaliar a companhia. Em declarações ao Expresso, considera que o valor oferecido nem sequer devia ser negociado.

O valor agora conhecido - 1,5 mil milhões de euros - assume uma injeção de mais de 300 milhões no capital da TAP e perto de 20 milhões de euros a pagar ao Estado, assumindo a dívida da companhia (1,2 mil milhões de euros). "É incrível que se diga que o empresário se propõe assumir o passivo. O passivo da TAP é assumido pelos ativos da TAP. Ou seja, Germán Efromovich nunca irá assumir os 1,2 mil milhões de passivo (note-se que a dívida líquida é 1,05 mil milhões) nem os 0,9 mil milhões de restante passivo. Este será sempre assumido pelo balanço da TAP", defende Ricardo Cabral.

Segundo o economista, "é preocupante que só proponha injetar 300 milhões de euros para tornar os capitais próprios positivos e não pagar nada ao acionista Estado". Assumindo que a TAP utiliza metade desses 300 milhões para aumentar o seu fundo de maneio e a outra metade para abater à dívida, "estamos a falar de uma melhoria dos custos (financeiros) de cerca de 9 milhões de euros por ano, ou seja, 0,4% dos custos totais da TAP".

1000 milhões é preço global adequado

Ricardo Cabral afirma que os custos financeiros (leasing e juros) representam uma pequena parte dos custos da TAP e que a sua dívida, face às receitas e despesas, está estabilizada. "A empresa está atualmente numa situação em que com ligeiras melhorias operacionais conseguirá melhorar a sua posição financeira por si só".

"Um aumento de receitas de 5% e uma redução de despesas de 5% traduzir-se-iam em melhorias operacionais de 250 milhões por ano, ou seja, um montante anual comparável ao que Efromovich se propõe injetar. Isto significa que se não ocorrerem surpresas desagradáveis a TAP passará em breve a ser fortemente lucrativa", refere.

Para o economista, um valor mais adequado, com base em múltiplos de 10 do EBIDTA de 2011 (106 milhões de euros), seria 1000 milhões (sem descontar a dívida). Ou seja, descontando os 300 milhões a injetar no capital, o valor a pagar devia ser de 700 milhões de euros.