Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

PSI 20 fecha a cair 1,14%, para 10.906,10 pontos

Os 20 títulos que compõem o índice de referência da bolsa nacional fecharam todos em terreno negativo.

A Euronext Lisboa fechou hoje em baixa acentuada, registando a menor queda da Europa, com o PSI 20 a cair 1,14%, para 10.906,10 pontos, com todos os títulos no vermelho.

Os 20 títulos que compõem o índice de referência da bolsa nacional fecharam todos em terreno negativo, numa sessão de fraca liquidez, em termos de quantidade, com apenas 35 milhões de acções transaccionadas, no valor de 139,8 milhões de euros.

Lisboa acompanhou a tendência de queda que se estendeu a toda a Europa, um movimento de correcção que atingiu com maior incidência os sectores mineiro e financeiro.

As acções mineiras alcançaram valorizações apreciáveis num curto período de tempo, o que as tornou vulneráveis à realização de mais-valias, enquanto que os títulos financeiros continuam a ser penalizados pela possibilidade destas instituições recorrerem a novos aumentos de capital, refere uma nota do BPI.

Destaque ainda para mais um recorde no preço do petróleo que ultrapassou os 129 dólares, por barril, no mercado de Nova Iorque.

Apesar da subida do petróleo, as empresas petrolíferas não conseguiram escapar ao movimento de correcção generalizado.

O índice Euronext 100 fechou a cair 1,60%, para 899,45 pontos, e o índice DJ Stoxx 50 recuou 1,79%, para 3.246,10 pontos.

As desvalorizações entre as congéneres da bolsa portuguesa oscilaram entre os 2,48% de Londres e os 1,48% de Frankfurt.

A sessão na praça portuguesa foi marcada pela ausência de notícias relevantes, o que explica a fraca liquidez do índice.

Realce para a Galp Energia, que apresenta resultados após o fecho do mercado, tendo caído 0,42%, para €16,61.

A média dos analistas contactados pela Lusa estimava que o lucro da Galp Energia descesse 17,6% para 101,2 milhões de euros no primeiro trimestre do ano devido à quebra das margens de refinação.

A Mota-Engil, que recuou 1,21%, para €5,70, apresenta resultados quarta-feira antes da abertura do mercado. 

Quanto aos restantes títulos do sector da construção, a Soares da Costa fechou a deslizar 0,55%, para €1,81, enquanto que a Teixeira Duarte registou uma perda mais acentuada, desvalorizando 1,70%, para €1,73.

No sector bancário, as desvalorizações oscilaram entre os 0,45% do BES e os 2,44% do BPI. O BCP perdeu 1,17%, para €1,69. 

A EDP registou a menor perda do PSI 20 ao cair 0,37%, para €4,08, no segundo dia de subscrição das acções da EDP Renováveis.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) recebeu ordens de subscrição de mais de 150 milhões de acções da EDP Renováveis por parte do público em geral, revelou à Lusa fonte oficial do banco público.

Este valor é mais de três vezes superior ao número de acções da EDP Renováveis destinado à venda ao público em geral, na Oferta Pública de Subscrição que começou segunda-feira e decorre até 30 de Maio.

Pelo contrário, a ZON Multimédia registou a maior queda de 4,25%, para €7,44, depois da PT ter antecipado as metas para o Meo, o seu serviço de televisão.

Fonte oficial da PT disse à Lusa que a Portugal Telecom espera atingir 100 mil clientes até ao fim de Junho, antecipando em seis meses as metas traçadas aquando do lançamento do Meo, no segundo semestre do ano passado.

Na altura, a empresa apontou como objectivo atingir 100 mil clientes até ao final de Dezembro de 2008.

O Meo fechou o primeiro trimestre de 2008 com 47 mil clientes, tendo conquistado 26 mil adesões entre Janeiro e Março.