Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Portugal: risco da dívida é o que mais cai na Zona Euro

O risco da dívida portuguesa é o que mais cai hoje entre os países da Zona Euro

Expresso com Lusa

Depois de ter sido conhecido o novo pacote de medidas de austeridade do Governo de José Sócrates, o risco da dívida de Portugal é o dos que mais cai entre os países que maiores dificuldades têm demonstrado na Zona Euro.

Os 'Credit Default Swaps' associados aos títulos de dívida portugueses

a cinco anos caíam já 27,9 pontos base, relativamente ao fecho de quarta

feira, situando-se nos 164,5 pontos base.

Desta forma, e de acordo com os dados da CMA Datavision, para segurar dívida pública portuguesa com maturidade a cinco anos no valor de 10 milhões de euros, os investidores teriam de pagar um seguro anual a rondar os 164,5 mil euros.Recorde-se que o custo dos CDS chegou a superar os 400 pontos base nas últimas semanas.

O risco de Portugal é o que maior descida verifica e está já muito perto da Irlanda e mesmo da Espanha. Os CDS associados à divida da Irlanda (também a cinco anos) situam-se nos 160 pontos base, os da Espanha situam-se nos 143,7 pontos base, enquanto que os seguros ligados à dívida grega caem 0,7 pontos base,  para os 498,7 pontos base.

O preço do seguro contra incumprimento associado à dívida grega esteve

mesmo acima de 900 pontos base antes de avançar a decisão relativa ao apoio do Eurogrupo e do Fundo Monetário Internacional ao país.

Medidas do Governo influenciam CDS

A evolução dos CDS, ligados à dívida portuguesa, reduzem um dia depois

de serem conhecidas algumas das propostas do Governo para reduzir mais o défice que o previsto.

Entre as medidas que estão a ser negociadas com o PSD estão o aumento do IVA num ponto percentual nos três escalões, a subida do IRC em dois ou mais pontos percentuais, a redução de cinco por cento nos salários dos políticos, gestores públicos e membros das entidades reguladoras, para além de uma subida do IRS de 1 por cento para quem receba até cinco salários mínimos (2.375 euros por mês) ou de 1,5 por cento para quem receba acima desse valor. Com estas medidas, o Executivo espera receber este ano cerca de 1.700 milhões de euros, o suficiente para que o défice das contas públicas possa chegar ao final de 2010 nos 7,3 por cento.

O próximo dia 20 de Maio será crucial, uma vez que Portugal terá pagar 4,6 mil milhões de euros (por vencimento de maturidade de dívida a dez anos) dos 5,6 mil milhões que haviam sido emitidos. Mil milhões foram já pagos pelo IGCP.