Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Portugal ajuda Grécia com 407M€

Portugal já enviou para a Grécia 407 milhões de euros, previstos no empréstimo da União Europeia e FMI.

Portugal contribuiu com 407 milhões de euros para a primeira fase do empréstimo que a União Europeia concedeu à Grécia e que hoje foi entregue, o correspondente a 2,8% do total, disse hoje o ministério das Finanças.

A Alemanha foi o maior contribuinte do empréstimo em que participaram dez países da zona euro, com 4,4 mil milhões de euros, seguida da França com 3,3 mil milhões de euros e a Itália com 2,9 mil milhões de euros.

Os outros contribuintes são Espanha, Holanda, Áustria, Luxemburgo, Chipre e Malta.

Ajuda já começou a chegar a Atenas

O Banco da Grécia já recebeu na semana passada a primeira fase do auxílio financeiro, do Fundo Monetário Internacional (FMI), no valor de 5,5 mil milhões de euros.

No início de maio, os líderes dos países da zona euro aprovaram o plano de ajuda à Grécia no valor de 110 mil milhões de euros, dos quais 80 mil milhões de euros ficam a cargo da zona euro e o restante à responsabilidade do FMI.

No total, Portugal vai emprestar à Grécia 2.064 milhões de euros.

O plano de resgate então aprovado visava evitar a falência financeira da Grécia, confrontada com uma dívida superior a 300 mil milhões de euros e sem capacidade para negociar nos mercados financeiros.

Plano de resgate exigiu contrapartidas

Em troca da ajuda internacional, o governo socialista de Georges Papandréou pôs em marcha um plano de austeridade com vista a pôr em ordem as suas contas públicas, sobretudo o défice das contas públicas, que atingiu os 14% do PIB em 2009. Atenas comprometeu-se a reduzir o défice para 3% em 2014.

Além de ajudar Atenas, o plano de resgate tinha por objetivo evitar que a possível falência da Grécia contagiasse Portugal ou a Espanha.

Mais recentemente foi criado um fundo especial aprovado pela União Europeia e pelo FMI para apoiar a zona euro e que pode ascender a 750 mil milhões de euros.

Na segunda feira, após a reunião dos ministros das Finanças da zona euro, Jean Claude Junquer disse acreditar que "há boas razões parar acreditar que a Grécia está no bom caminho".

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.