Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Ongoing vai votar contra venda da Vivo à Telefónica

A Ongoing entende que o preço oferecido não reflete o valor estratégico da Vivo e os ganhos de sinergias que a Telefonica terá com a fusão entre o móvel e o fixo no Brasil.

A Ongoing, um acionista de referência da PT, vai votar contra a venda da participação na brasileira Vivo à Telefónica, na assembleia geral convocada para 30 de junho, se a empresa espanhola mantiver a oferta atual. 

 

"Se é a última proposta da Telefonica que vai ser levada à Assembleia Geral [6,5 mil milhões de euros], a Ongoing votará claramente contra", declarou, por escrito, o presidente da Ongoing, Nuno Vasconcellos, à Agência Lusa.  



O presidente da Ongoing considera "que o preço oferecido não reflete o valor estratégico da Vivo e os ganhos de sinergias que a Telefonica terá com a fusão entre o móvel e o fixo no Brasil". 

 

"Desde que entrei na PT que digo e mantenho que a presença no Brasil é estratégica para o futuro da PT, porque a empresa só tem dimensão - e sentido - se se afirmar como um veículo da lusofonia", salientou.    



"PT deve dar mensagem clara aos accionistas"



Nuno Vasconcellos acrescentou que a gestão executiva da PT deve dar uma mensagem clara aos acionistas: "A gestão executiva tem de ter uma mensagem clara e dizer se não existe mais valor nesta participação do que o oferecido pela Telefonica. Tem de dizer aos acionistas se é para vender ou não".   



A Ongoing vai esperar pelo resultado das discussões entre o presidente da comissão executiva da PT e o administrador financeiro com a Telefónica sobre a Vivo para "saber qual é o conselho que a equipa de gestão da PT vai dar". 

 

No princípio do mês, a Telefónica aumentou a proposta de compra da participação que a PT detém na Vivo de 5,7 mil milhões para 6,5 mil milhões de euros, oferta que será levada aos acionistas do grupo português, no dia 30 de junho.

 

Na assembleia geral, os acionistas vão decidir se vendem ou não os 50% que a empresa detém na Brasilcel, que controla 60% da Vivo, aos parceiros espanhóis da Telefónica.    

     

 

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico ***