Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

OCDE: Portugal cresce 1% em 2010

Portugal vai crescer menos que a zona euro e registar mais desemprego em 2010 e 2011, segundo as previsões da OCDE.

A OCDE prevê que Portugal cresça 1% este ano e 0,8% em 2011, registando um desemprego de 10,6% em 2010 e 10,4 no próximo ano, o que compara negativamente com a média da zona euro.  

 

Os valores hoje divulgados pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico ficam abaixo das previsões para a zona euro, que deverá crescer 1,2 e 1,8% em 2010 e 2011.   

 

O desemprego, por seu lado, deve chegar aos 10,6% este ano, reduzindo-se para 10,4% em 2011, um valor acima da média da zona euro, para a qual a OCDE prevê uma taxa de 10,1% neste e no próximo ano.  

 

No 'outlook' hoje divulgado, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico diz que Portugal deve crescer já este ano, mas esta retoma, depois da contração de 2,7% no ano passado, deverá ser "lenta", evidenciando a "necessidade da consolidação orçamental". Por isso, continua o relatório hoje divulgado em Paris, "o desemprego deve subir ainda mais em 2010, e a inflação continuará baixa". 

Inflação sobe para 1,1% em 2011 

A OCDE prevê que a inflação, este ano, fique nos 0,9% este ano, avançando para 1,1% no ano seguinte.  

 

Na parte do documento em que Portugal é analisado, a OCDE diz que "o Governo tomou recentemente algumas medidas para acelerar a consolidação orçamental em 2010", sublinhando que essas iniciativas são "bem-vindas", e acrescenta que isso é "essencial para garantir a confiança dos investidores na sustentabilidade orçamental e garantir o acesso a financiamento externo".   



A OCDE recomenda a criação de uma plataforma orçamental plurianual, que permita conhecer os gastos previstos para mais do que um ano. "Avançar para um orçamento plurianual alicerçado em regras para a despesa iria aumentar a credibilidade do ajustamento orçamental", concluem os peritos desta organização internacional com sede em Paris.  

 

      

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***