Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

G20 chumba imposto sobre transacções financeiras

A cimeira de ministros e de banqueiros centrais, que terminou sábado na Coreia do Sul, revelou um xadrez muito complexo dos temas que dividem o grupo de 20 países actualmente com maior peso geopolítico. As coligações são ad hoc em muitos assuntos, mas a força da China, Brasil, Índia e até do Canadá e Coreia do Sul revela-se.

Jorge Nascimento Rodrigues (www.expresso.pt)

<#comment comment="[if gte mso 9]> Normal 0 21 false false false PT X-NONE X-NONE MicrosoftInternetExplorer4 <#comment comment="[if gte mso 9]> <#comment comment=" /* Font Definitions */ @font-face {font-family:"Cambria Math"; panose-1:2 4 5 3 5 4 6 3 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:roman; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:-1610611985 1107304683 0 0 415 0;} @font-face {font-family:Calibri; panose-1:2 15 5 2 2 2 4 3 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:swiss; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:-520092929 1073786111 9 0 415 0;} /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-unhide:no; mso-style-qformat:yes; mso-style-parent:""; margin-top:0cm; margin-right:0cm; margin-bottom:10.0pt; margin-left:0cm; line-height:115%; mso-pagination:widow-orphan; font-size:11.0pt; font-family:"Calibri","sans-serif"; mso-fareast-font-family:Calibri; mso-bidi-font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-language:EN-US;} a:link, span.MsoHyperlink {mso-style-priority:99; color:blue; text-decoration:underline; text-underline:single;} a:visited, span.MsoHyperlinkFollowed {mso-style-noshow:yes; mso-style-priority:99; color:purple; mso-themecolor:followedhyperlink; text-decoration:underline; text-underline:single;} .MsoChpDefault {mso-style-type:export-only; mso-default-props:yes; font-size:10.0pt; mso-ansi-font-size:10.0pt; mso-bidi-font-size:10.0pt; mso-ascii-font-family:Calibri; mso-fareast-font-family:Calibri; mso-hansi-font-family:Calibri;} @page Section1 {size:595.3pt 841.9pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:35.4pt; mso-footer-margin:35.4pt; mso-paper-source:0;} div.Section1 {page:Section1;} "> <#comment comment="[if gte mso 10]>

Para além do discurso politicamente correcto do comunicado final saído da cimeira de ministros de Finanças e Economia e de banqueiros centrais do G20 (grupo de 20 países actualmente com maior peso geopolítico no mundo), reunidos sexta-feira e sábado no porto de Busan (também conhecido por Pusan), na Coreia do Sul, o ambiente foi de discussões "muito quentes", como deixou passar para os media Shin Je-Yoon, o vice-ministro das Finanças para os assuntos internacionais do país anfitrião.

Um dos temas que gerou expectativa foi o da iniciativa americana e alemã de um imposto sobre transacções financeiras que alimentasse um fundo para futuros resgates em caso de crise financeira.

Distracção, acusa o Canadá

O que poderia pensar-se ser pacífico, não o é. Os "fat cats" da alta finança, como lhes chamou Obama, são hoje um alvo politicamente fácil. Mas a ideia encontrou a resistência determinada do Canadá, Brasil, Índia, Austrália e Japão. O ministro canadiano, Jim Flaherty, que surgiu como líder da oposição, acusou mesmo a ideia de ser uma "distracção" em relação "aos problemas de fundo".

O que está em jogo neste tema fracturante é que uma parte do globo - que não se considera responsável pela crise financeira e que hoje está a começar a dar cartas na geopolítica - não pretende penalizar os seus sistemas financeiros locais que estão em plena ofensiva global, aproveitando as vulnerabilidades dos eixos financeiros de Nova Iorque, Londres e Frankfurt.

Os relatos sobre esta discussão são contraditórios, consoante o ponto geográfico do mundo que os emite. Na Ásia dá-se o assunto desta taxa como encerrado, como não tendo sido incluído na agenda da próxima cimeira de alto nível em Toronto, no Canadá, a 26 e 27 de Junho. Outros, na Europa e nos EUA, afirmam que o tema regressará, pois é um ponto de honra, sobretudo do secretário do Tesouro, Thimothy Geithner, e colocam esperanças no relatório que o Fundo Monetário Internacional deverá apresentar em Toronto.

Aperto orçamental tem apoio maioritário

Outro tema fracturante foi a questão da consolidação orçamental, suscitada pelo alastrar da crise da dívida soberana na União Europeia. Aqui as "coligações" de interesses são curiosamente distintas.

Americanos, franceses e Banco Central Europeu (BCE) repetem em uníssono que a Europa deu os passos adequados e alertam que a consolidação orçamental não pode ser cega nem exagerada, aumentando o risco de uma recaída na recessão. Por seu lado, os alemães e os asiáticos - ao que parece apoiados por "uma corrente maioritária" no G20, confessou, desapontada, a ministra francesa da Economia, Christine Lagarde - insistem que a consolidação orçamental é a prioridade número um e o Brasil e a China teriam mesmo expressado sérias dúvidas sobre a gestão do problema na Europa.

O presidente do BCE, Jean-Claude Trichet, garantiu, no final, falando para os mercados financeiros que reabrem na segunda-feira, que teria havido um entendimento "muito bom" sobre o problema. O comunicado final bate palmas, logo no segundo ponto, à acção da União Europeia, do BCE e do FMI na questão.

Mercantilismo sob fogo

As alianças ad hoc voltam a mudar quando chegamos ao tema da dinamização do comércio internacional e da procura mundial. O secretário do Tesouro americano defendeu que os principais exportadores mundiais de bens com superávites nas suas balanças comerciais (onde se encontram a China, líder mundial da exportação em 2009, Alemanha e Japão) deverão favorecer a importação, facilitando a exportação por parte dos deficitários, e abandonar as suas políticas mercantilistas. O que, naturalmente, não agrada aos visados.

Sobre o tema de fundo da regulação bancária e do sistema financeiro "sombra", a cimeira de Busan chutou, de novo, o problema para os próximos encontros. Novas regras para exigir transparência às agências de notação, à actuação dos hedge funds e ao uso dos derivados continuam em estudo.

Também para a cimeira do G20 em 11 e 12 de Novembro, em Seul, se espera que a Comissão Basel sobre Supervisão Bancária apresente as novas normas com que terão de se coser os bancos, no sentido de restringir o vício da excessiva alavancagem associada às vagas de financeirização desde 1860 e às crises financeiras graves que provocou desde essa altura.

Uma certeza: mudança no FMI

Um ponto político parece impor-se: o da urgência de reforma do Fundo Monetário Internacional (FMI). À margem da cimeira, Coreia do Sul e Brasil assinaram um entendimento sobre a modificação da correlação de forças no FMI (que afectará sobretudo a "representação" dos países europeus) e Seul aproveitou para vender aos brasileiros o seu know how na organização do Campeonato Mundial de 2002 e dos Jogos Olímpicos de 1998. O Brasil, como se sabe, está a organizar o Mundial de 2014 e os Jogos de 2016.

Está convocada nova reunião de ministros e banqueiros para 22 e 23 de Outubro, de novo, na Coreia do Sul.

O clima escaldante que se viveu na cimeira derivou do contexto específico em que reuniu o G20 em Busan: as contingências da própria semana falam por si. A crise da dívida soberana na Europa "alargou-se" a vários países do Leste, com o incidente mais gravoso na Hungria. Uma má "tradução" de declarações oficiais incendiou os investidores do mercado de credit default swaps sobre a dívida (empurrando a Hungria para dentro do TOP 10 mundial de maior risco de default) e provocou um mini-crash nas bolsas europeias e em Wall Street e Manhattan (Nasdaq).

No Mediterrâneo oriental, Israel e Gaza voltam a ser um ponto quente no mundo dos conflitos regionais que podem degenerar em algo mais vasto, e a própria península coreana, onde a cimeira se realizou (e onde próximas reuniões até final do ano se irão realizar), continua sob risco permanente das manobras regulares do vizinho de Piongiang. Em Maio, recorde-se, o clima regional aqueceu com o episódio do afundamento de um navio sul-coreano por parte dos norte-coreanos.

Qualquer evento inesperado nestes quadrantes da geografia pode provocar um impacto decisivo no curso da actual crise. "Cisnes cinzentos", chamam-lhes os analistas.

Para terminar, nas vésperas da cimeira, o Japão mudou de primeiro-ministro, inesperadamente. O ministro das Finanças, Naoto Kan, e líder do Partido Democrático do Japão, passou a primeiro-ministro - o 6º em quatro anos apenas - e em Busan quem acabou por aparecer foi o vice-ministro das Finanças.

O G20 é formado pelos membros do G8 (Alemanha, Canadá, EUA, França, Itália, Japão, Reino Unido e Rússia) mais África do Sul, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Brasil, China, Coreia do Sul, Índia, Indonésia, México e Turquia, a que se juntam a União Europeia (incluindo o Banco Central Europeu) e representantes do FMI e do Banco Mundial.