Siga-nos

Perfil

Economia

Energia

Foz Tua: barragem polémica já arrancou

Começaram as obras da barragem de Foz Tua, que vai inundar terrenos nos concelhos de Murça e Alijó. Investimento da EDP no projeto é de €305 milhões.(Veja vídeo SIC no final do texto)

Entre protestos de algumas organizações ambientalistas e também do partido Os Verdes, que continuam a manifestar-se contra o fato de 16 quilómetros de linha ferroviária ficarem submersos, a EDP deu início às obras da barragem de Foz Tua, com a assinatura do contrato de construção adjudicado ao agrupamento de empresas Mota-Engil/Somague/MSF.

O primeiro-ministro, José Sócrates, esteve presente no lançamento da obra e disse que a construção de uma barragem significa dar mais oportunidade de emprego, às empresas e reduzir dependência energética externa e reduzir emissões de CO2."São os projetos mais difíceis em que nos devemos empenhar, porque são eles que podem mudar as coisas", afirmou o governante, referindo-se à polémica à volta da Barragem de Foz Tua, obra contestada pelos ambientalistas por causa da submersão da linha ferroviária.

O projecto envolve um investimento de 305 milhões de euros, contribuindo para a criação de 4.000 postos de trabalho, 1.000 dos quais directos, ao longo dos próximos cinco anos. Foz Tua começará a produzir energia em 2015.

A barragem de Foz Tua situa-se no troço inferior do rio Tua, próximo da sua confluência com o rio Douro, abrangendo os concelhos de Murça e Alijó, do distrito de Vila Real, e os concelhos de Mirandela, Vila Flor e Carrazeda de Ansiães, do distrito de Bragança.

Com uma potência instalada de 251 megawatts (MW), a produção média bruta de Foz Tua será de 585 gigawatts hora/ano, a que corresponde uma produção média líquida de 275 GWh/ano.

EDP investe €3,2 mil milhões em barragens

Foz Tua e os restantes 11 projectos de expansão hídrica da EDP totalizam 3 500 MW, um reforço de capacidade de 76% face ao atual parque hidroeléctrico do Grupo. Esta aposta na energia hídrica, endógena e renovável, implica investimentos próximos de 3 200 milhões de euros, gerando cerca de 35 000 postos de trabalho diretos e indiretos.

Barragem em betão, do tipo abóbada de dupla curvatura, com 108 m de altura máxima e 275 m de desenvolvimento de coroamento, localizada a cerca de 1100 m da foz do rio Tua, dispondo de um descarregador de cheias inserido no corpo da barragem equipado com comportas, de uma descarga de fundo e de um dispositivo para libertação de caudal ecológico.

Linha do Tua desativada 

Relativamente à linha do Tua, desactivada entre a barragem e a estação de Brunheda, será desenvolvido um Projecto de Mobilidade com um sistema multimodal. Serão implementados dois sistemas complementares de mobilidade, um destinado à mobilidade quotidiana e outro com finalidade turística.

Para este efeito, a EDP disponibilizará um montante máximo de €10 milhões destinado a alavancar o financiamento global das ações-âncora do projecto.

Entre as soluções previstas destacam-se a utilização do troço de via-férrea entre a Estação da Foz do Tua e a base da barragem; instalação de um funicular entre a base da barragem e o seu coroamento; transporte fluvial entre a barragem e Brunheda, e a construção de embarcadouros; e ainda a qualificação da infra-estrutura ferroviária a partir de Brunheda.

O serviço multimodal do Tua deverá ser explorado em regime de concessão