Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

"É necessário combater a praga do desemprego", diz Nuno Amado

O banqueiro defendeu a necessidade de uma "reforma da lei laboral", apontando para o aumento do desemprego em todo o continente europeu e, em particular, em Portugal

As elevadas taxas de desemprego, em Portugal e na Europa, foram hoje analisadas pelo presidente do Banco Santander Totta, Nuno Amado, que considerou ser imperativa a flexibilização da legislação laboral.     "Só com medidas estruturais é possível combater a praga do desemprego", realçou o banqueiro, analisando o atual momento da economia portuguesa. "Em Portugal, o apoio do Estado à banca fez-se sem custos para o contribuinte", salientou Nuno Amado, frisando que, com a crise, "o peso do Estado na economia aumentou".     "Entre dezembro de 2008 e março de 2010, só Portugal e a Itália não reduziram o financiamento à economia", realçou o banqueiro, antes de concluir que "a banca tem dado o seu apoio à economia".     "Nalguns casos até tem sido excessivo", atirou.     "As condições oferecidas pelo programa PME Investe não estão certas. Estas taxas não são saudáveis à economia", considerou, em jeito de ilustração.

Apelo à poupança  

Nuno Amado defendeu a importância da poupança para os portugueses, dizendo que é necessária uma correção do nível de consumo privado em Portugal, que deverá recuar para níveis perto da média europeia.     "Temos que atuar todos com muito mais intensidade e amplitude", afirmou, defendendo o "rigor" como a melhor saída para a crise.     Existem, de acordo com o banqueiro, "ventos contrários" à atividade bancária em Portugal no atual momento, nomeadamente, o enquadramento internacional "difícil", o aumento da concorrência pelos depósitos, a necessidade de desalavancagem, a regulamentação mais restrita que será imposta aos bancos e os maiores requisitos de capital que serão exigidos.     Ainda assim, Nuno Amado disse que "a banca é dos sectores mais preparados" em Portugal para fazer face à crise.       *** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.