Siga-nos

Perfil

Economia

Dinheiro

Pictet recomenda acções norte-americanas

Numa altura em que o dólar tem ganho força nos mercados internacionais, o banco suíço recomenda aos investidores que virem as suas atenções para o mercado norte-americano.

Luis Caleira Marques (www.expresso.pt)

O banco suíço Pictet recomenda aos investidores europeus a compra de acções norte-americanas, devido à desvalorização do euro. É a primeira vez em quatro anos que este banco faz esta recomendação e fá-lo devido à expectativa de que o euro possa ver descer o seu valor até atingir a paridade com o dólar. Para além de acções norte-americanas, o banco de investimento também recomenda a aposta em ouro e em dívida dos mercados emergentes.



"Não há razões para ter pânico, mas há medos, medos reais relativos ao futuro do euro como moeda", afirmou Yves Bonzon, Director de Investimentos do banco.  "Há uns meses atrás isto nem era uma questão, actualmente existe uma mudança de paradigma".



A Pictet tem expectativas de que o euro atinja a paridade com o dólar num prazo de 18 meses. "Muitos investidores, incluindo alguns dos Estados Unidos e do Médio Oriente, encontraram refúgio no euro mas actualmente estão a voltar ao dólar", concluiu Yves Bonzon. De realçar que a procura por activos norte-americanos atingiu um recorde durante a crise da dívida soberana na Grécia, de acordo com dados do departamento do tesouro dos Estados Unidos da América.



A desvalorização do euro tem sido impulsionada devido aos elevados défices que alguns dos países da zona euro apresentam, tais como Grécia, Portugal e Espanha, e pelo medo que estes países possam entrar em bancarrota. O euro atingiu um mínimo de 1,2235 dólares a 17 de Maio e já desvalorizou 13% este ano. Comentando as críticas que os governos europeus têm efectuado aos mercados, Bonzon ironizou que "a temperatura do doente está a subir mas, em vez de o tratar, estão a culpar o termómetro".



O banco Pictet é um banco privado suíço que geria 274 mil milhões de euros de clientes no final do ano de 2009. Em Portugal é possível ter acesso aos fundos geridos por este banco através dos supermercados de fundos, ActivoBank, Banco Best e Banco Big.