Siga-nos

Perfil

Economia

Dinheiro

Hedge funds fogem do petróleo

Os hedge funds estão a apostar na queda do preço do crude. Na semana passada, os gestores destes fundos de cariz especultativo venderam 32% do total posições de compra que detinham. Clique para visitar o canal Dinheiro

Joaquim Madrinha (www.expresso.pt)

O número de posições longas sobre contratos de futuro sobre o petróleo cotados na bolsa de Nova Iorque desceu, na semana passada, para 89,3 mil. Em termos semanais, foi a maior variação negativa desde 29 de Setembro de 2009, segundo o relatório do dia 21 de Maio da U.S. Commodity Futures Trading Commission's Commitments of Traders.

"Wall Street está a sair do mercado [petróleo]", disse à Bloomberg Stephen Schork, o presidente da sociedade gestora Schork Group. "Este último sell-off é a confirmação de que os gestores estão a sair. Espero que o relatório desta semana revele outro sell-off significativo".

O motivo da fuga de investimentos deve-se à crise orçamental vivida na Europa. Os gestores de fundos temem que esta possa provocar uma diminuição a procura. "A situação vivida na Europa está a retirar o bom momento ao mercado", diz Schork.

Desde 3 de Maio, dia em que o crude atingiu o valor mais elevado do ano ao cotar nos 87,15 dólares, o preço do crude já desceu 20%. Só na semana passada, o preço da matéria-prima energética mais usada no mundo perdeu 2,2%. "Sabemos que os gestores estão a liquidar as posições longas [de compra]. A questão é saber se estão a construir posições curtas, de forma a levar o mercado para baixo", explicou o presidente da Schork Group.

Segundo a opinião do especialista, se os gestores conseguirem levar o preço do crude para valores em torno dos 67/68 dólares por barril, o preço poderá descer até aos 60 dólares. Só depois se poderá assistir a alguma recuperação do preço da matéria-prima.

Em dólares, o crude negociava hoje próximo dos 70 dólares por barril. Logo, a verificar-se o movimento defendido por Schork, o preço poderá corrigir 14%, uma variação que pode ser transformada em ganhos através de alguns produtos que ganham quando o activo perde valor.

O PowerShares DB Crude Oil Double Short ETN, cotado na bolsa de Nova Iorque é um bom exemplo. Este Exchange-traded notes, um produto similar aos tradicionais fundos cotados ou Exchange-traded funds, tem como objectivo ganhar o dobro da variação negativa do preço do crude. Ou seja, quando o preço varia negativamente 1%, o fundo ganha 2%.

Este produto não só é útil para proteger portefólios com elevada exposição ao sector energético como consiste numa aposta de queda sobre o preço do petróleo. Ainda ssim, cuidado. Trata-se de um produto alavancado, o que lhe confere uma volatilidade elevada. É também um instrumento que não deve ser usado como investimento para o longo prazo, uma vez que o movimento natural do preço do petróleo para o longo prazo é de valorização, devido à escassez da matéria-prima.