Siga-nos

Perfil

Economia

Dinheiro

Comprar ações, só no final do segundo semestre

O diretor de alocação de ativos da Fidelity International só tem vendido ações nos último semestre. Subida sustentada dos índices só acontecerá em 2011, diz Trevor Greetham.

Joaquim Madrinha (www.expresso.pt)

<#comment comment=" @page { margin: 2cm } P { margin-bottom: 0.21cm } ">

Apesar de alguns indicadores económicos demonstrarem que a economia mundial está a melhorar, Trevor Greetham não vê mais do que "uma recuperação moderada". Na verdade, o diretor de investimentos da Fidelity International, a maior sociedade gestora do Mundo, antecipa um aumento das dificuldades económicas na segunda metade do ano, o que o fez optar por desfazer-se da maioria das ações que compõem os fundos geridos pela sua equipa.

Para o especialista, devido às dificuldades que começam agora a emergir, no segundo semestre poderão surgir boas oportunidades de compra, mas sem ilusões: rali - subida sustentada dos índices - só em 2011, disse o gestor numa entrevista por videoconferência dada a jornalistas de Hong Kong.

A crise na dívida soberana europeia e o impacto desta na economia mundial é a principal preocupação do diretor de investimentos da Fidelity International.

"Temos uma posição neutra em ações e poderemos vender mais caso venha a existir um rali no curto prazo", disse Greetham, sublinhando que "surgirão boas oportunidades de compra quando as pessoas estiverem em pânico. Vai-se falar muito na possibilidade de uma nova recessão."

Trevor Greetham, que gere o fundo Fidelity Multi Asset Strategic E, disponível em Portugal, um fundo que pode investir em várias classes de ativos, confessou que começou a comprar ouro. Normalmente, os fundos da gama Multi Asset fazem um negócio por mês mas, em Março, foram ao mercado por duas vezes para se desfazer de parte das ações das carteiras dos fundos.