Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Desemprego: Sócrates reconhece que números são "históricos"

"Os números em Portugal são históricos, como são em Espanha e França, na Alemanha e em Itália", afirmou o primeiro ministro.

Os números do desemprego em Portugal "são históricos", como em vários outros países europeus, mas há sinais de que o desemprego está a abrandar, há menos novos desempregados e mais ofertas de emprego, afirmou o primeiro ministro.

"Os números em Portugal são históricos, como são em Espanha e França, na Alemanha e em Itália. Todos têm elevados níveis de desemprego. Não sei se repararam mas é uma constante em todo o desemprego europeu", afirmou José Sócrates, em conferência de imprensa em Madrid.

"Subiu muito no nosso país como subiu na Europa", disse, dando como exemplo os 20 por cento de desemprego em Espanha, onde se encontra para participar na cimeira UE-América Latina e Caribe (ALC).

Outras notícias dão ânimo

O primeiro ministro considerou que "é naturalmente muito preocupante a situação de desemprego" que continua por isso a ser a "principal prioridade" do Governo.

Mas aproveitou para referir o que diz serem "outras notícias" do desemprego que "dão ânimo".

"Os dados do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) demonstram que hoje tivemos a primeira notícia segundo a qual o registo de desempregados recuou pela primeira vez desde a eclosão da crise", afirmou.

"É um sinal de que o desemprego está a abrandar. Os dados do IEFP revelam pela primeira vez que o número de desempregados em abril é inferior ao de março. É a primeira vez que isso acontece", destacou.

Novos desempregados diminuem

"Revela também que vamos para o quinto mês consecutivo em que o número de novos desempregados diminuiu quando comparados com igual mês do ano anterior, e de que as ofertas de emprego estão a subir muito, tendo crescido 35 por cento", disse ainda.

O primeiro ministro considerou que o Governo já esperava a subida mas que estes dados apontam a possibilidade de haver alguma "inflexão" no que toca ao aumento do desemprego em Portugal.

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.