Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

BCP pressiona PSI-20

A praça nacional negoceia em queda, em linha com a Europa, penalizada pelos títulos da Brisa e do BCP.

A bolsa portuguesa seguia hoje a desvalorizar 0,35%, acompanhando a tendência das congéneres europeias, com a queda das ações do BCP a pressionarem as negociações.     

 

Às 08:30, o principal índice, o PSI 20, recuava 0,35%, com oito títulos em queda e dois (Inapa e Sonae Industria) inalterados.  

 

Na sexta feira, o PSI 20 tinha encerrado a sessão a perder 0,07%, para 7219,10 pontos, um desempenho melhor do que o dos seus congéneres europeus.  

 

Lisboa seguia assim alinhada com as congéneres europeias, que seguiam negativas, após a cimeira do G20, que terminou ao fim da tarde de domingo, na cidade canadiana de Toronto.   

 

A iniciativa ficou marcada pelo compromisso assumido pelos países desenvolvidos de cortarem a metade os défices até 2013 e de, nos próximos seis anos, estabilizarem, ou mesmo reduzirem os níveis da dívida face ao PIB.  

 

Madrid seguia a perder 0,15%, Paris 0,14 por cento e Londres 0,06%, enquanto Frankfurt seguia a subir 0,36%.    

 

O índice Euronext 100, por sua vez, desvalorizava 0,15% para 638,47 pontos e  Stoxx 50 seguia a perder 0,12% para os 2396,41 pontos.  

 

Em Lisboa, a Brisa e o BCP eram as ações que mais pressionavam o índice, com quedas de 1,4% e 0,6%, para 5,4 e 0,9 euros, respetivamente.



REN e Semapa lideram ganhos 

No sentido inverso, a REN e a Semapa eram os títulos que mais subiam, com valorizações de 1,3% para 2,6 e 7,6 euros, respetivamente.

 

A EDP Renováveis, que anunciou hoje a assinatura de um acordo de "tax equity" com a Wells Fargo Wind no montante de 141 milhões de dólares (114 milhões de euros), seguia a valorizar 0,5% para 5 euros.  

 

A PT - que realiza na quarta feira uma assembleia geral na qual os acionistas decidirão se vendem ou não a participação da empresa portuguesa na operadora brasileira Vivo à espanhola Telefónica por 6,5 mil milhões de euros - seguia a negociar em terreno negativo, desvalorizando 0,5% para 8,5 euros.