Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Vêm aí Obrigações Panda. Portugal prepara-se para emitir dívida em moeda chinesa

Zhang Peng/GETTY IMAGES

Bélgica, Irlanda e Portugal realizaram na semana passada operações sindicadas de novas linhas a 10 anos e Alemanha, França e Itália avançaram com leilões de obrigações. IGCP colocou €4 mil milhões, mas atraiu 6 vezes mais. Lisboa prepara obrigações Panda em moeda chinesa

O ano de 2019 começou eufórico no mercado da dívida pública na zona euro, apesar do Banco Central Europeu (BCE) ter fechado no final do ano passado o programa de compra líquida de obrigações no mercado secundário e de subsistir incerteza sobre o desempenho orçamental em Itália e França.

Este é também o ano em que Portugal irá emitir dívida em moeda chinesa, através de obrigações denominadas Panda no mercado interbancário chinês. Para 2019 está prevista a colocação de 3 mil milhões de renminbi (cerca de €387 milhões) naquele mercado, com igual verba no ano seguinte.

Entretanto, seis países membros da moeda única – Alemanha, Bélgica, França, Irlanda, Itália e Portugal - colocaram na semana que agora terminou €35 mil milhões em títulos de médio e longo prazo através de leilões e operações organizadas por sindicatos bancários. Pagaram juros mais baixos em todas as emissões e registaram uma procura muito elevada nas operações sindicadas que chegou a mais de €70 mil milhões.

Portugal destacou-se nas operações sindicadas com o lançamento na quarta-feira de uma nova linha de Obrigações do Tesouro (OT) a 10 anos em que pagou 1,978%, a taxa mais baixa de sempre neste tipo de emissão, e registou uma procura de €24 mil milhões, seis vezes superior aos €4 mil milhões colocados. Foi o rácio mais elevado nas operações sindicadas da semana.

Investidores esperam mais estímulos do BCE

Nesta primeira semana de actividade no mercado obrigacionista, os investidores não se assustaram com o aviso do BCE que a economia da zona euro está “frágil”, revelado nas atas da última reunião de 2018 publicadas na semana passada.

E tomaram boa nota que, se os riscos passarem a predominar na avaliação da conjuntura que o BCE vai fazer ao longo do primeiro semestre, a equipa de Mário Draghi está pronta para adicionar novos estímulos aos que ainda mantém (reinvestimento das amortizações dos títulos que tem em carteira e manutenção das taxas directoras nos níveis mínimos atuais pelo menos até durante o verão). As atas indicam a possibilidade do estudo de uma nova ronda de financiamento barato aos bancos através da linha conhecida pela sigla TLTRO (uma modalidade que pretende impulsionar o crédito da banca à economia real, empresas e consumidores).

Se, na próxima semana, se confirmarem as previsões pessimistas de que a economia alemã entrou num segundo trimestre consecutivo de contracção entre outubro e dezembro de 2018, aumentará a expectativa de que, em 2019, o BCE não irá apertar mais a política monetária. O que mantém uma janela de oportunidade para a dívida da zona euro.

Procura na operação portuguesa foi seis vezes superior

Comparando com as operações sindicadas realizadas também pela Bélgica e Irlanda, a procura na emissão portuguesa registou um rácio mais elevado em relação ao montante colocado: 6 vezes contra 4,75 na Bélgica e 4,5 na Irlanda. A procura mais volumosa registou-se na operação belga, com €28,5 mil milhões, face a €24 mil milhões para a portuguesa e €18,1 mil milhões para a irlandesa. A Itália deverá realizar, em breve, uma operação sindicada de lançamento de uma nova referência no prazo a 15 anos.

Em todas as emissões desta semana, os Estados pagaram juros mais baixos do que em operações similares anteriores, o que acompanha a descida geral das yields dos títulos no mercado secundário.

Os analistas registaram como particularmente positiva a descida das taxas pagas pelo Tesouro italiano nos leilões a 3, 7 e 30 anos que realizou na semana passada onde colocou €6,5 mil milhões. Depois de picos pagos nos leilões de dívida em outubro, no auge da crise com a Comissão Europeia sobre o défice orçamental e o rácio de divida pública no PIB para 2019, os juros baixaram significativamente.

Taxa mais baixa de sempre em Portugal

Na operação sindicada portuguesa, a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) pagou uma taxa de 1,978%, a mais baixa de sempre no prazo a 10 anos neste tipo de colocações através de sindicatos bancários. Na operação similar em janeiro de 2018, o Estado pagou 2,137%.

Desde 2015, quando, ao fim de quatro anos, recomeçou este tipo de sindicações de lançamento das novas linhas de Obrigações do Tesouro a 10 anos, o IGCP pagou as seguintes taxas: 2,92% nesse primeiro ano sem troika; 2,973% em 2016; 4,227% em 2017, um pico em sete anos; e 2,137% no ano passado.

Nas operações sindicadas da semana passada na Bélgica, Irlanda e Portugal, o Tesouro conseguiu financiar mais de um quinto das necessidades de financiamento em dívida obrigacionista para 2019: Bruxelas já financiou 21% dos €28 mil milhões necessários; Dublin conseguiu cobrir 25% dos €18 mil milhões que precisa; e Lisboa arrecadou 25% dos €15,8 mil milhões programados, segundo o IGCP.

IGCP prepara ‘operação Panda’

O Tesouro português aguarda a aprovação final para a emissão de dívida pública portuguesa de médio prazo em moeda chinesa através de obrigações denominadas Panda no mercado interbancário chinês.

O programa de emissão para dois anos envolve 6 mil milhões de renminbi (a moeda chinesa), em que 3 mil milhões seriam colocados em 2019, adiantou na semana passada a Global Capital. Ao câmbio actual, a operação Panda envolve €774 milhões, com uma primeira fase, este ano, de €387 milhões. A colocação será feita pelo Banco da China, CGD e HSBC.

A concretizar-se será a primeira operação Panda realizada por um membro do euro. Na União Europeia, a Polónia emitiu este tipo de obrigações em 2016 e a Hungria em 2017 e 2018. Os prazos foram a 3 anos e o montante envolvido foi de 3 mil milhões de renminbi em cada caso.

Desde 2015, as obrigações Panda têm sido emitidas por países e entidades diversas. Fora da Europa, a Coreia do Sul emitiu em 2015 e as Filipinas em 2018.

No ano passado, este mercado envolveu 96,5 mil milhões de renminbi (€12,5 mil milhões), uma subida de 34% em relação ao ano anterior, em 49 operações, um disparo de mais de 60%.

  • Os riscos para a economia da zona euro podem ganhar, de novo, predominância e obrigar o Banco Central Europeu a reavaliar a estratégia, revisitando, nomeadamente, o papel das linhas de crédito barato à banca, revelam as atas da última reunião de 12 e 13 de dezembro

  • O Tesouro colocou esta quarta-feira €4 mil milhões em dívida a 10 anos através de um sindicato bancário pagando 1,978%. Nas anteriores operações similares desde 2006 pagou entre 2,137% e 4,823%. Responsável da agência DBRS considera o resultado importante para a redução do peso da dívida e a melhoria da qualidade do crédito