Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Fidelidade conclui compra da seguradora peruana La Positiva

Grupo segurador controlado pela chinesa Fosun passa a ocupar o quarto lugar do mercado segurador do Peru

Pedro Lima

Pedro Lima

Editor-adjunto

A Fidelidade concluiu esta quarta-feira a compra de 51% da seguradora peruana La Positiva Seguros y Reaseguros. Trata-se de uma operação concretizada através de uma oferta pública de aquisição (OPA), e que permite ao grupo segurador sedeado em Portugal, controlado pela chinesa Fosun, ocupar o quarto lugar do mercado segurador do Perú.

Com a La Positiva, a Fidelidade passa também a ter a liderança do mercado da Bolívia, onde a seguradora peruana tem uma posição acionista de destaque, assim como presença no Paraguai e Nicarágua.

A operação custou 107 milhões de dólares e está prevista a manutenção da atual equipa de gestão.

"A finalização da aquisição da posição de controlo da companhia peruana, com a conclusão da OPA, permite a entrada da Fidelidade no mercado Latino-Americano e tem ainda maior relevância porque ocorreu em plena concorrência com algumas das maiores companhias de seguros Europeias e Americanas", diz a Fidelidade em comunicado.

Jorge Magalhães Correia, presidente da Fidelidade, refere que "a conclusão deste processo de aquisição é mais um passo na consolidação da estratégia de internacionalização da Fidelidade, aproveitando o potencial de crescimento económico sustentado do mercado peruano, marcando, também, o início da nossa expansão na América Latina".

Já Andreas von Wedemeyer, presidente da La Positiva, considera que, "com a liderança da Fidelidade e o contínuo compromisso com os nossos acionistas e clientes, podemos continuar a crescer no mercado segurador. Para além disso, com o acréscimo de uma gama maior de produtos, o nosso conhecimento e a experiência do cliente, bem como a melhoria dos processos e a tecnologia que a Fidelidade irá trazer, será possível aumentar a nossa participação no mercado peruano".

O interesse no Peru remonta pelo menos a 2014, ano em que a Fidelidade definia, no seu plano estratégico, que havia três mercados onde queria crescer na América Latina – Chile, Peru e Colômbia. O facto de em Portugal o grupo segurador – que além da marca Fidelidade tem também a Multicare e a OK! Teleseguros e controla a Luz Saúde –, não ter muito mais margem de crescimento justifica o reforço da internacionalização. A quota de mercado a 31 de dezembro de 2017 estava nos 30,7%.

A La Positiva é o quarto maior grupo do sector segurador no Perú, com uma quota de mercado de 11%, prémios consolidados que ultrapassam os 500 milhões de dólares, investimentos de 1,2 mil milhões de dólares e mais de 3,8 milhões de segurados.

Jorge Magalhães Correia justifica este investimento com o facto de já em 2014, no seu plano estratégico, ter eleito a América Latina, e o Peru especificamente, como um espaço interessante para a expansão internacional do grupo Fidelidade e de a economia peruana apresentar níveis de crescimento interessantes e uma baixa penetração nos seguros.

É impressionante o progresso que o Peru fez nos últimos anos no combate à pobreza”, disse esta quarta-feira o presidente da Fidelidade numa conferência de imprensa na sede da La Positiva, em Lima. Jorge Magalhães Correia aproveitou a ocasião para elogiar a gestão da seguradora peruana. “A La Positiva é uma empresa rentável, com boa gestão”, disse.

André Cardoso, administrador da Fidelidade com a área internacional, justifica também o investimento com o facto de a seguradora estar demasiado exposta às flutuações económicas em Portugal. “Vemos potencial de crescimento no Peru em conjunto com a equipa de gestão da La Positiva”, afirma.

“A La Positiva tem uma capilaridade muito grande, uma posição muito forte junto dos clientes individuais”, disse.

Do lado do acionista maioritário (a Fosun, que tem 85% da Fidelidade), o presidente da Fosun International, Wang Qunbin, destaca o facto de este investimento dar acesso à Fidelidade, pela primeira vez, ao mercado latino-americano, permitindo tornar o grupo mais internacional.

* o jornalista viajou a convite da empresa