Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Montepio: "Tomás Correia já não conta com o apoio da maioria dos associados"

A lista de António Godinho ás eleições da associação faz um balanço dos resultados e diz que "eleições não foram democráticas" mas mesmo assim a lista C obteve um resultado "verdadeiramente extraordinário" e a perda da maioria dos votos de Tomás Correia "é politicamente relevante"

No rescaldo dos resultados conhecidos esta madrugada para os órgãos sociais da associação do Montepio, a lista liderada por António Godinho retira ilações. "Tendo em conta as condicionantes conhecidas do processo eleitoral, o resultado da nossa lista é verdadeiramente extraordinário", já que "ficou apenas a 6,8 pontos percentuais da lista de Tomás Correia".

A lista da qual faz parte também Eugénio Rosa e conta com o apoio de Bagão Félix sublinha o facto de a a lista vencedora "ter tido menos votos do que a soma dos votos das listas opositoras ", o que quer dizer que "Tomás Correia já não conta com o apoio expresso eleitoralmente da maioria dos associados da associação e deveria tirar consequências desse facto".

António Godinho considera que "há um problema para as autoridades e regulador resolverem porque se coloca em causa a questão da idoneidade e continuo a achar que Tomás Correia não tem condições para assumir a presidência". Em causa está a matéria que diz respeito à idoneidade do atual líder por este estar sob investigações e ser arguido em processos de natureza criminal.

Quanto ao processo eleitoral que gerou, como de costume polémica, António Godinho diz que estas eleições "não foram nem justas , nem democráticas. Entre as várias irregularidades, avultam o facto de a comissão eleitoral ser composta maioritariamente por membros da lista A (Tomás Correia) que tomou todas as decisões favoráveis à incumbente, rejeitando as propostas que visavam uma efetiva fiscalização do ato eleitoral". Soma-se a este facto um outro: "a autenticação das assinaturas dos votos por correspondência não cumpre a legislação em vigor, designadamente o novo Código Mutualista".

A lista de Godinho promete a todos os associado continuar a lutar "pela dignificação da associação, pelo resgate da confiança dos associados e dos portugueses, fazendo tudo o que estiver ao seu alcance para defender a instituição".