Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Christine Lagarde este mês em Angola

A diretora-geral do FMI visita Angola de 20 a 22 de dezembro para fechar o acordo de financiamento de 4,5 milhões de dólares

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI, Christine Lagarde, visita Angola de 20 a 22 de dezembro. A deslocação poderá culminar as negociações em torno de um empréstimo de 4,5 mil milhões de dólares (3.9 mil milhões de euros) que começou a ser negociado em agosto.

Num comunicado divulgado esta sexta-feira citado pela Agência Lusa, o Ministério das Finanças angolano lembra que as negociações para o empréstimo são o pano de fundo da visita. O acordo com o FMI só poderá ficar concluído depois de o Parlamento angolano aprovar o Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2019 que será votado na Assembleia Nacional no dia 14.

O financiamento do FMI será distribuído por três anos. É considerado, segundo o Ministério das Finanças, "um fator motivador para que outras instituições multilaterais ponderem também conceder financiamentos à Tesouraria, sem que estejam condicionados a projetos, em contraposição ao atual peso das linhas bilaterais consignadas a projetos".

Durante os dois dias da visita, Christine Lagarde será recebida pelo Presidente angolano, João Lourenço, se reunirá com a equipa económica do Governo e com líderes femininas e participará ainda em programas de caráter solidário.

O acordo com o FMI poderá também envolver o Banco Mundial (BM) e o Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) com montantes mais elevados do que os que atualmente estão em negociação.

Emissão de dívida facilitada

Segundo o gabinete de estudos do Standard Bank, o acordo de financiamento com o FMI vai facilitar o processo de emissão de dívida pública nos mercados internacionais em 2019.

No relatório de novembro sobre as principais economias africanas, os analistas do Standard Bank dizem que as emissões de dívida permitem, em última análise, "que o Banco Nacional de Angola normalize a oferta de moeda externa, permitindo às empresas operarem sem obstáculos”, favorecendo o crescimento económico.