Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

180 milhões de mulheres têm o emprego ameaçado

Fundo Monetário Internacional diz que as mulheres correm maiores riscos de serem substituídas por robôs no emprego do futuro

Catia Mateus

Catia Mateus

Jornalista

getty

Contornar os avanços da tecnologia e manter-se competitivo num mercado de trabalho onde a automação está a ganhar progressivamente terreno é, têm defendido os especialistas, uma questão de competências. Urge desenvolver as competências certas e antecipar as que serão essenciais no futuro. Mas não só.

Um estudo agora divulgado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) parece indicar que é também uma questão de género. O documento defende que pelo menos 180 milhões de mulheres em todo o mundo correm o risco de ver o seu emprego ser tomado por um robô. Entre os países-membros da OCDE são 26 milhões.

“Os resultados que alcançámos mostram que, tendo em conta o atual patamar de desenvolvimento tecnológico, 10% da força de trabalho (54 milhões de trabalhadores) em 30 países (28 Estados-membro da OCDE, Chipre e Singapura) enfrentam um risco elevado de serem substituídos por soluções de automação nos próximos 20 anos”, explicam os autores do estudo “Género, Tecnologia e o Futuro do Trabalho”. Por “elevado risco de automação”, o FMI entende um grau de probabilidade de automação superior a 70%.

A batalha é desigual para homens e mulheres. Para elas, o risco de substituição pela máquina é maior, 11% contra 9%. A nível global, explica o estudo, trabalhadoras menos qualificadas, com idade a partir dos 40 anos, em funções administrativas, no sector dos serviços ou vendas, enfrentam maior exposição aos riscos. Mas a substituição homem-máquina pode atingir outras franjas profissionais. O FMI revela que quase 50% das mulheres com qualificações ao nível do ensino secundário têm os empregos ameaçados pelo impacto da tecnologia. À medida que aumentam as qualificações, diminuem os riscos. Entre as profissionais com formação superior, a percentagem de empregos ameaçados é de 1%.

Segundo o relatório, esta situação de maior fragilidade perante a tecnologia que as mulheres enfrentarão no mercado de trabalho do futuro está relacionada com o facto de estas estarem hoje sub-representadas nas áreas de atividade que estão a registar maior crescimento do emprego, como as engenharias, e as tecnologias de informação. No sector tecnológico, por exemplo, a probabilidade de atingir cargos de liderança e gestão é 15% inferior nas mulheres. A de desempenharem tarefas mais rotineiras, e por isso mais expostas aos riscos de automação, é 19% superior à dos homens.

Inverter o cenário

Mas nem tudo são más notícias para as mulheres. As previsões do FMI apontam para um crescimento do emprego em sectores como a saúde, educação e serviços sociais. Empregos que requerem fortes competências cognitivas e de relacionamento interpessoal e, por isso, onde as hipóteses de ver humanos serem substituídos por robôs são menores. E nestas áreas, as mulheres estão em destaque. Por outras palavras, as profissionais mais qualificadas podem beneficiar de um crescimento do emprego nestas áreas.

O FMI salvaguarda que “estar em risco de automação não significa a perda efetiva ou a destruição de emprego”, mas acrescenta que é fundamental minimizar estes riscos. Para isso é determinante que sejam adotadas nos vários países políticas que reduzam as barreiras que as mulheres ainda encontram no mercado de trabalho.

Um investimento precoce na captação de mulheres para cursos e carreiras nas áreas das Ciências, Tecnologias, Engenharias e Matemáticas, ou a sua reconversão para estas áreas, não só é determinante como pode, acrescenta o FMI, “ajudar a quebrar estereótipos de género e a aumentar a retenção de profissionais nestas carreiras”. O FMI sugere, por exemplo, a adoção de incentivos fiscais para promover uma cultura de formação ao longo da vida que possa apoiar uma atualização de competências mais célere e adequada às necessidades do mercado. Diminuir a disparidade de géneros em cargos de liderança, facilitar as transições de carreira, com a adoção de sistemas de proteção social adequados à nova realidade laboral, e promover o acesso a novas tecnologias são também medidas apontadas como fundamentais para minimizar os riscos de automação no emprego.