Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Santander aumenta comissões a 50 mil contas e sobe preço dos cartões

Mário Cruz/Lusa

Banco diz tratar-se de um valor residual e convida os clientes a migrarem para soluções alternativas onde os agravamentos podem ser evitados

O Santander Totta reviu a sua política de comissões, tendo agravado os custos a 50 mil contas e subido o preço da maioria dos cartões em 5,4%.

Na conferência de imprensa agendada para apresentar os resultados do terceiro trimestre, o presidente do Santander Totta argumentou tratar-se de poucas contas, o equivalente a 2,5% do total, e disse que os aumentos "ficam abaixo do patamar da média do setor".

Vieira Monteiro deu ideias aos clientes referindo que, para quem não quiser pagar comissões de manutenção de conta, o banco tem a" Conta Pacote denominada Sim, com o custo mais baixo do mercado e para quem privilegia a transacionalidade, temos as Contas do Mundo 123, que proporcionam, como nenhuma outra, o acesso à cash backs [reembolsos] em compras, domiciliacões, combustíveis, via verde e impostos".

Vieira Monteiro sublinha que esta estratégia visa levar os clientes a optar por determinados produtos. E exemplificou também algumas das subidas feitas nas comissões dos cartões do Santander.

"Para 86% dos cartões o aumento foi de 5,4% e compara bem com o mercado. Destes 80% são cartões de débito Novo Classic e o aumento foi de 5,4%". Já quanto ao Novo Classic Premium representa 0,04% e teve um aumento de 24,3%, isto porque, como fez questão de sublinhar" está fora de comercialização, não são vendidos mais cartões".

Menos 200 trabalhadores em 2018

Nos nove primeiros meses do ano o Santander lucrou 385 milhões de euros, mais 16% do que em 2017, tendo já concluído o processo de integração tecnológica e operacional do ex-Banco Popular.

Ao nível do pessoal, de Dezembro de 2017 a Setembro de 2018 saíram do banco 100 trabalhadores através de rescisão por mútuo acordo. E até ao final do ano sairão mais 100.

Até Setembro o número de trabalhadores é de 6677. Até ao final do ano vão fechar, por via de fusões mais 13 balcões, num total de 100.