Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Índice de bem-estar continuou a crescer em 2017

Dados preliminares do Instituto Nacional de Estatística, divulgados esta quarta-feira, revelam “um crescimento anual de 3,8% do Índice de Bem-Estar”

O índice de bem-estar dos portugueses continuou a crescer em 2017, com a educação, participação cívica e governação a apresentarem a evolução mais favorável e o trabalho, remuneração e vulnerabilidade económica a mais desfavorável, revela o INE.

Os dados preliminares do Instituto Nacional de Estatística (INE) para 2017, divulgados esta quarta-feira, revelam "um crescimento anual de 3,8% do Índice de Bem-Estar".

"O Índice de Bem-Estar (IBE) da população portuguesa evoluiu positivamente entre 2004 e 2011, tendo registado uma inflexão em 2012. Recuperou no ano seguinte, estimando-se uma continuação de crescimento para 2017, ano em que terá atingido 131,4 após um resultado de 126,6 em 2016", afirma o instituto.

O IBE retrata a evolução do bem-estar da população recorrendo a dois índices sintéticos, que traduzem duas perspetivas de análise: condições materiais de vida e qualidade de vida.

"Entre 2004 e 2013, estes dois índices evoluíram, genericamente, em sentidos opostos, com o primeiro a evidenciar uma tendência decrescente, e o segundo a apresentar uma tendência crescente. A partir de 2013 iniciaram uma evolução no mesmo sentido: o da melhoria do bem-estar, em Portugal", refere o INE.

Dos dez domínios que integram o IBE, a educação e a participação cívica e governação são os que apresentaram uma evolução mais favorável. Inversamente, os domínios trabalho e remuneração e vulnerabilidade económica são aqueles cuja evolução foi mais desfavorável, embora tenham vindo a recuperar desde 2013.

O domínio da educação, conhecimento e competências teve "uma evolução em índice muito positiva, tendo crescido continuamente no período em estudo, apresentando o índice 212,7 em 2016. Os dados projetados para 2017 revelam a manutenção desta tendência, embora com evolução menos pronunciada, estimando-se um índice de 215,2.

O domínio da participação cívica e governação, que desde 2006 desceu até um valor mínimo em 2010, tem vindo a crescer a partir desse ano, atingindo em 2016 o valor de 160,7.

O índice relativo ao domínio do ambiente aumentou regularmente desde 2008, registando-se apenas um pequeno decréscimo em 2015 face ao ano anterior. Os dados preliminares de 2017 mantiveram esta tendência de aumento, estimando-se um índice de 139,1.

O INE assinala também "evolução positiva" do domínio da segurança pessoal, que atingiu em 2016 o valor de 134,0, estimando-se para 2017 o valor de 144,6, e do domínio da saúde, que atingiu em 2016 um valor de 131,6 e se estima que se fixe em 137,5 em 2017.

O domínio do equilíbrio vida-trabalho tem vindo a decrescer desde 2012 com valores em índice de 103,1 em 2016 e estimando-se um valor de 99,9 em 2017.

"O domínio bem-estar económico apresentou um crescimento significativo até ao início da crise económica, inverteu essa tendência após 2010 até 2012 e iniciou uma recuperação desde então", afirma o INE, que salienta nesta recuperação a evolução favorável dos indicadores de desigualdade e concentração.

O domínio vulnerabilidade económica é um dos que apresentam "a evolução mais desfavorável", refletindo a "progressiva vulnerabilidade das famílias induzida pelo afastamento das mesmas do mercado de trabalho e pela intensificação da dificuldade em pagar os compromissos assumidos com a habitação".

Registaram-se, no entanto, evoluções positivas a partir de 2014, devidas sobretudo à redução da taxa de privação material e da taxa de risco de pobreza. A partir desse ano, todos os indicadores deste domínio apresentaram uma evolução favorável.

O trabalho e remuneração é a componente do bem-estar com "evolução mais desfavorável", devido essencialmente ao aumento do desemprego, que se acentuou a partir de 2009.

"A partir de 2013 verifica-se uma inversão desta tendência, tendo-se projetado para 2017 a continuação desta melhoria", refere o INE.