Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Sonae MC. Depois da OPV cancelada, nova administração

Cláudia Azevedo está na nova equipa da Sonae MC, com Ângelo Paupério e Luís Moutinho

D.R.

Cláudia Azevedo está na equipa da empresa líder nacional no retalho alimentar, com Ângelo Paupério e Luís Moutinho- Paulo Azevedo sai

Um dia depois de anunciar o cancelamento da Oferta Pública de Venda que levaria a Sonae MC à bolsa, o grupo Sonae dá um sinal ao mercado de que mantém a aposta na estratégia definida para dar maior autonomia e expandir o negócio do retalho: com a eleição do novo conselho de administração da empresa, onde junta os nomes de Cláudia Azevedo, Ângelo Paupério e Luís Moutinho, que deverá manter a presidência executiva,

O novo Conselho de Administração foi eleito nesta sexta-feira, em Assembleia Geral da Sonae MC. Representa um alargamento da equipa de 5 para 11 membros e permite, também, substituir Paulo Azevedo, Luís Reis e Miguel Mota Freitas, que reunciaram ao lugares que ocupavam até agora,

No comunicado enviado à CMVM, a empresa informa que o novo Conselho de Administração estará em funcões até ao final do mandato, em 20121, e não explica as mudanças nem dá pormenores sobre os cargos que cada um vai ocupar.

Os outros 8 nomes da nova equipa são Inês Valadas, José Manuel Fortunato, Rui de Almeida, Ricardo Monteiro, António Menezes Soares, Alvaro do Nascimento. João Dolores e Isabel Barros.

O Expresso apurou que o alargamento da equipa de gestão do negócio de retalho alimentar da família Sonae e a substituição de alguns dos seus membros ocorrem de acordo com o plano traçado no âmbito da estratégia definida para a empresa, no quadro da OPV e das mudanças em curso no próprio grupo, onde Cláudia Azevedo deverá substituir o irmão Paulo na liderança no próximo ano.

Quando anunciou o IPO (Oferta Pública Inicial) e a admissão à cotação da unidade de retalho alimentar no último trimestre do ano, a Sonae tinha deixado claro que a decisão passava pelo desígnio de conceder às sociedades do seu portefólio "a independência necessária para continuar a cumprir as suas ambições de crescimento”, como explicava Ângelo Paupério, co-presidente executivo da Sonae SGPS, com Paulo Azevedo.

Na mesma linha, Luís Moutinho, referia então, em comunicado que "o objetivo é continuar a seguir uma estratégia centrada no consumidor para sustentar um papel de crescimento e perfil de rentabilidade acima do mercado num período de forte expansão da rede de lojas".

Agora, depois de a empresa anunciar o cancelamento da OPV da Sonae MC, que deveria estrear-se na bolsa de Lisboa no próximo dia 23, devido às "condições adversas do mercado", a lógica de dar mais autonomia a este negócio, num modelo idêntico ao que já é seguido na Sonae Sierra, mantém-se.

Em bolsa, depois do fracasso da OPV da Sonae MC, as ações da Sonae SGPS valorizaram-se hoje 5,19%-

  • Entrada em bolsa da Sonae MC fracassa

    A oferta pública de venda de 21,7 a 33% do capital da subsidiária da Sonae que concentra o negócio da distribuição já não vai acontecer. Falhanço na colocação junto de investidores instituicionais justifica o fracasso