Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Moody's retira Portugal de “lixo financeiro”

Anadolu Agency/Getty

A agência de notação subiu esta sexta-feira o rating da dívida portuguesa de Ba1, um nível especulativo, para Baa3, o primeiro nível de investimento. A Moody's foi a primeira das três grandes agências a colocar Portugal em 'lixo financeiro' em julho de 2011 e a última a graduar a dívida portuguesa

Ao fim de mais de sete anos, a Moody's decidiu voltar a graduar a dívida portuguesa de longo prazo para terreno de investimento. Esta sexta-feira, a agência retirou Portugal de 'lixo financeiro' subindo o rating de Ba1, o último nível de dívida considerada especulativa na fronteira com o grau de investimento, para Baa3, o primeiro nível desse grau. A agência subiu a perspetiva (outlook) para estável.

Também, esta sexta-feira, a agência DBRS confirmou a notação de Portugal em BBB (equivalente a Baa2 da Moody's) com perspetiva estável. A agência canadiana nunca desgraduou a dívida portuguesa para 'lixo financeiro' durante os anos de chumbo da crise da dívida soberana.

A Moody's foi a primeira, entre as três grandes agências de notação, a desgraduar a dívida portuguesa para 'lixo financeiro' em julho de 2011 e a última a retirar Portugal dessa condição. Deu, agora, esse passo, por considerar que a dívida portuguesa está numa trajetória de descida sustentada, que o sector financeiro está melhor, e que o crescimento económico está a ser alimentado pelo investimento e pela exportação.

As razões: risco limitado de reverter descida da dívida e mais resiliência económica

Segundo a agência, "a elevada dívida pública de Portugal mudou para uma tendência de queda sustentável, embora gradual, com riscos limitados de reversão". O comunicado adianta, também, que uma ampliação dos vectores de crescimento e "uma posição externa estruturalmente melhorada aumentaram a resiliência económica".

A Moody's seguiu, com algum atraso, as decisões tomadas pela Standard & Poor's em setembro de 2017, que subiu a notação para BBB- (o equivalente a Baa3 da Moody's), e pela Fitch, que, em dezembro do ano passado, deu um passo ainda maior, e graduou a dívida para BBB (um nível acima da notação da S&P e da Moody's).

Ampliação do leque de investidores

Com o pleno das agências de rating colocando Portugal em terreno de investimento, o leque de investidores interessados na dívida portuguesa, já sem qualquer 'etiqueta' de lixo financeiro, amplia-se.

A entrada dos títulos portugueses em índices que só investem em obrigações sem qualquer mácula de 'lixo financeiro' abre uma janela de oportunidade para aumentar a procura nos leilões futuros de dívida organizados pela Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública.

Até final do ano, está agendada só mais uma avaliação de notação pela Fitch a 30 de novembro.