Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

APAN confirma ter sido alvo de buscas da Concorrência que classificou de “intrusivas”

APAN afirmou que as buscas dizem respeito a “um documento aprovado em 2009, destinado aos seus associados e disponível desde então no seu website”

A APAN - Associação Portuguesa de Anunciantes confirmou nesta quinta-feira ter sido alvo de buscas da Autoridade da Concorrência (AdC), que classificou de "intrusivas", criticando a divulgação mediática que foi feita da operação.

"A APAN foi surpreendida, no dia de ontem [quarta-feira], com o comunicado publicado pela Autoridade da Concorrência relativo a 'busca e apreensão em duas associações do setor publicitário'. Mais surpreendida ficou com a publicação em diversos órgãos de comunicação social do seu nome enquanto alvo das ditas buscas. Contactada pela comunicação social, a APAN optou por não comentar, atento o facto de, segundo informada pela AdC, o processo se encontrar em segredo de justiça", referiu a associação.

No entanto, "tendo em conta a divulgação pública promovida pela própria AdC e as notícias veiculadas pela comunicação social envolvendo o nome da APAN", a associação resolveu confirmar "ter sido alvo de buscas realizadas pela AdC, no âmbito das quais ofereceu toda a cooperação ao seu alcance. A APAN continuará naturalmente a cooperar com a AdC em tudo o que lhe seja solicitado para o apuramento da verdade". A APAN detalhou ainda que estas buscas dizem respeito a "um documento aprovado em 2009, destinado aos seus associados e disponível desde então no seu website".

A associação garantiu ainda que, nove anos depois, "não encontra justificação para a mobilização dos recursos públicos exigidos para a realização de diligência tão intrusiva nem, sobretudo, para a respetiva divulgação mediática nos termos em que foi efetuada".

A AdC adiantou na quarta-feira que tinha realizado "diligências de busca e apreensão" em duas associações de publicidade por "indícios de concertação" no âmbito de concursos lançados por anunciantes.

Em comunicado, o organismo referiu "que realizou nos últimos dias diligências de busca e apreensão em duas associações do setor publicitário, motivadas por indícios de concertação no âmbito de procedimentos de contratação lançados por anunciantes". Segundo o mesmo comunicado, a AdC "decretou o segredo de justiça no presente processo de contraordenação, a fim de preservar os interesses da investigação. No entanto, a AdC pode referir que estas diligências não estão relacionadas com o concurso para 'outdoors' lançado pelo município de Lisboa", garantiu a Concorrência.