Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Talkdesk é o terceiro unicórnio em Portugal

Tiago Paiva lidera a Talkdesk, que tem escritórios em Lisboa, Porto, São Francisco e Salt Lake City

Marcos Borga

A empresa de desenvolvimento de software baseado na nuvem para centros de contacto acaba de angariar 100 milhões de dólares junto dos investidores Viking Global e DFJ, alcançando assim uma valorização acima de mil milhões de dólares. Investimento vai ser usado para expandir o negócio na Europa, aumentar a equipa de engenharia e reforçar a presença nos Estados Unidos

Foi pensada em Portugal, mas uma semana depois estava nos Estados Unidos. Já lá vão sete anos desde que Tiago Paiva e Cristina Fonseca lançaram a primeira pedra daquilo que é hoje a Talkdesk, quando participaram no concurso da empresa norte-americana Twilio para ganhar um portátil MacBook Air e, vencedores, foram convidados a apresentar a ideia em São Francisco numa conferência da qual saíram com 50 mil dólares no bolso para montar o negócio. Os últimos anos ficaram marcados pelo crescimento de clientes e receitas, prémios e reconhecimentos e pela sua transição de startup a scaleup, num conjunto de desafios e conquistas que a levam agora a inaugurar um novo ciclo.

A tecnológica que permite aos clientes instalarem, de forma simples e rápida, centros de contacto baseados na nuvem acaba de entrar para o distinto clube dos unicórnios de origem portuguesa, ao fechar uma ronda de investimento série B no valor de 100 milhões de dólares (cerca de 87 milhões de euros), o que faz subir a avaliação da empresa para mais de 1,2 mil milhões de dólares (mil milhões de euros). Esta é a maior ronda levantada por uma empresa privada neste sector, o que a torna no terceiro unicórnio de origem portuguesa e aquele que mais rapidamente entrou para o universo mitológico das empresas avaliadas em mais de mil milhões de dólares.

Embora a empresa com sede em São Francisco não revele qual a parcela do capital social adquirido nesta ronda liderada pelo fundo Viking Global Investors, que conta também com o repetente DFJ - Draper Fisher Jurvetson, esta deverá andar entre os 8% e os 10%, segundo a estimativa do Expresso.

Depois de um processo de consulta a oito investidores que resultou em seis propostas, o financiamento “ficou formalmente fechado há algumas semanas, no mês de setembro”, adianta ao Expresso Marco Costa, diretor-geral da Talkdesk para a região EMEA - Europa, Médio Oriente e África. Os investidores têm experiência em levar empresas até ao mercado de capitais, embora a Talkdesk garanta que nesta fase não existe nada a anunciar em relação a uma eventual oferta pública inicial (IPO, na sigla inglesa).

Novas contratações e escritório em Londres

O investimento que a tecnológica liderada por Tiago Paiva acaba de arrecadar vai ser utilizado para reforçar a sua presença nos Estados Unidos, essencialmente ao nível da equipa comercial, mas também para expandir a sua operação na Europa e apostar na investigação e desenvolvimento (I&D).

“Temos um plano agressivo de expansão na Europa”, explica Marco Costa, sublinhando que a empresa quer aumentar as cerca de dez pessoas que fazem a equipa comercial em Portugal para 50 no próximo ano. Atualmente, a Talkdesk tem escritórios em São Francisco, Salt Lake City, Lisboa e Porto.

Marco Costa é o diretor-geral da Talkdesk para a região EMEA - Europa, Médio Oriente e África

Marco Costa é o diretor-geral da Talkdesk para a região EMEA - Europa, Médio Oriente e África

D.R.

Os objetivos passam também por abrir escritório em Londres “até ao final do ano”, de modo a atacar de forma mais sólida “o maior mercado na Europa na área dos centros de contacto”. E por “olhar para outras geografias” onde a empresa já tem clientes.

A Talkdesk quer ainda canalizar parte deste financiamento para I&D, através do reforço da equipa da engenharia, responsável pelo desenvolvimento de produto. “Mantemos toda a engenharia em Portugal e queremos chegar, no país, às mil pessoas em 2020”, especifica o diretor para região EMEA.

A nuvem é o limite

A operar num mercado avaliado em mais de 40 mil milhões de dólares, a Talkdesk contabiliza mais de 400 empregados, 1500 clientes ativos em 50 países e já facilitou mais de 100 milhões de chamadas através da sua plataforma. No seu portefólio encontram-se clientes como a IBM e a Dropbox e, em Portugal, Accenture, Galp, José Avillez, entre outros.

A tecnológica foi considerada pela Forbes uma das melhores empresas mundiais a atuar na nuvem e é, segundo a empresa de estudos de mercado Frost & Sullivan, a empresa com um crescimento mais acelerado neste mercado dos centros de contacto baseados na nuvem.

Tem vindo “a crescer bastante num mercado que está a aumentar 20% ao ano”, afirma Marco Costa. “Estávamos a crescer duas ou três vezes ao ano, nos últimos três anos crescemos dez vezes.” O responsável não revela as receitas do último ano, apenas que estas triplicaram face a 2016, altura em que a “Forbes” estimava que rondariam os 30 milhões de dólares (26 milhões de euros).

“Conseguimos no último ano crescer bastante a equipa e atividade comercial, tivemos um ano fantástico em termos de vendas, o que confirma que o produto está bem e está a ter uma boa aceitação junto dos nossos clientes”,explica Marco Costa. “Sentimos que encontrámos o parceiro certo, o mercado está também no momento certo e portanto estamos num bom momento para escalar o negócio.”