Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Mercados satisfeitos com acordo entre Trump e os dois vizinhos

Investidores acreditam que o novo acordo de livre comércio para a América do Norte assinado domingo é um sinal positivo. Maioria das mais importantes praças financeiras na Ásia e Europa regista ganhos esta segunda-feira. A Lisboa o otimismo ainda não chegou

Jorge Nascimento Rodrigues

Os três vizinhos do espaço da América do Norte chegaram a acordo no domingo, depois da conclusão das negociações dos Estados com o Canadá. Nasceu o USMCA – acrónimo em inglês para Acordo Estados Unidos-México-Canadá. Substitui o NAFTA, o Tratado Norte-Americano de Livre Comércio que entrara em vigor em 1994, cuja revisão o presidente Donald Trump considerou prioridade do seu mandato. O acordo dos EUA com o México tinha sido concluído no final de agosto. Já foi referido que Washington e Ottawa chegaram a acordo para se incluir um capítulo sobre o ambiente no USMCA.

Os investidores reagiram positivamente ao anúncio, desanuviando as tensões no espaço da América do Norte, mas resta saber se haverá contágio positivo na guerra comercial com a China e em outras frentes onde há riscos de proteccionismo, nomeadamente com a União Europeia e o Japão.

Os mercados na Ásia fecharam esta segunda-feira ‘mistos’, mas Tóquio encerrou a sessão com ganhos. Mumbai, Sydney e Seul registaram perdas. As praças de Hong Kong e da China estão fechadas por motivo de feriados.

Na Europa, Frankfurt, Milão e Paris abriram em terreno positivo. O índice Eurostoxx 50 (das cinquenta principais cotadas da zona euro) ganha mais de 0,5%. Também Moscovo está a registar ganhos. Em Lisboa, o PSI 20, está a cair. Os principais índices em Londres e Madrid estão a flutuar em torno da linha de água.

Os futuros do índice S&P 500 em Wall Street estão em terreno positivo, indiciando uma abertura da sessão de segunda-feira no verde.

  • Mercados em setembro aguentaram-se. Mas riscos engordaram

    Índice mundial de bolsas registou ganhos pelo terceiro mês consecutivo. Escalada da guerra comercial, rebelião do défice em Itália, perspectiva de Brexit sem acordo e subida do preço do petróleo marcaram o final do mês. PSI 20 em Lisboa perdeu 1,2%. Agenda de outubro 'quente'