Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Desemprego em agosto estabiliza nos 6,8%, o valor mais baixo dos últimos 16 anos

rui duarte silva

Se a estimativado provisória do INE se confirmar, a taxa de taxa de desemprego mantém-se abaixo dos 7% pelo terceiro mês consecutivo

A taxa de desemprego em Portugal foi de 6,8% em agosto, indica a estimativa provisória do INE - Instituto Nacional de Estatística, divulgada esta quinta-feira. Será o terceiro mês consecutivo de estabilidade na taxa neste patamar que é, também, o mais baixo desde setembro de 2012.

Relativamente ao mês de julho, o INE confirma que a taxa se situou nos 6,8%, tal como tinha avançado na anterior estimativa provisória divulgada no final de agosto. "São menos 0,3 pontos percentuais em relação a três meses antes e menos 2,1 pontos percentuais que no mesmo mês de 2017.

Os números do INE mostram que depois de um ciclo de sucessivas descidas, o mercado de trabalho estabilizou nos últimos três meses, um indicador de que Portugal estará já próximo da taxa natural ou estrutural do desemprego, como os especialistas têm vindo a dizer, admitindo que esse patamar possa estar extatamente no intervalo entre os 6% e o 7%.

De acordo com os dados provisórios, apesar da estabilidade da taxa, Portugal fechou agosto com mais desempregados e menos empregados do que em julho. As diferenças entre junho e julho são pequenas, mas voltando aos números provisórios, Portugal tinha, em agosto, 4.800.2 milhões de pessoas empregadas, menos 0,1% (ou quatro mil pessoas) do que um mês antes. O número de desempregados também aumentou 0,5%, passando dos 350,7 mil registos para os 352,5.

Nos jovens, a taxa de desemprego é de 19,2%

“Em agosto de 2018, a estimativa provisória da população ativa foi de 5.125.7 mil pessoas, representando um decréscimo de 2,2 mil, em comparação com o mês anteiror”, refere o INE.

As taxas de emprego e de atividade mantêm-se inalteradas, nos 61,8% e 66,3%, respetivamente.

Os jovens continuam a ser os mais penalizados, uma vez que a taxa de desemprego para este segmento populacional está nos 19,2%, contra os 5,8% dos adultos.

Em agosto, diz o INE, havia 74,9 mil desempregados jovens, entre os 15 e os 24 anos.

Na guerra dos sexos, há mais mulheres desempregadas do que homens. Elas são 181 mil e eles são 163. A taxa de desemprego feminina está dos 7,1% (6,9% em julho), enquanto a masculina fica nos 6,2% (6,1% em julho)