Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Arrendamento. Sector imobiliário diz que ou há incentivos ou não há casas

Gon\303\247alo Rosa da Silva

Se não houver menos impostos e mais facilidades na contratação de seguros para casas arrendadas, os mediadores imobiliários garantem que ninguém irá investir no sector

Só com a redução da taxa de IRS sobre os arrendamentos acessíveis - para contratos com mais de cinco anos – e com a criação de um seguro de renda popular se irá conseguir dinamizar o mercado do arrendamento habitacional. Caso contrário, continuará a não haver quem queira investir em casas para arrendar.

Estes são os argumentos defendidos pela Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), numa altura em que no Parlamento se discute, na especialidade, nova legislação para o arrendamento urbano.

“Pensar que o mercado resolverá o problema por si só é errado e ingénuo. Uma casa representa um negócio para o seu proprietário, que para apostar neste negócio, precisa de sentir que tem condições para tal. Não haja dúvida que neste momento a abusiva fiscalidade que se pratica no sector é um entrave”, denuncia Luís Lima, presidente daquela associação.

Aponta o dedo aos sucessivos Governos, que “têm ignorado a urgência da dinamização do arrendamento urbano”. E conclui que sem aqueles benefícios, “não haverá quem queria investir no mercado de arrendamento, sobretudo a preços que os nossos jovens e famílias portuguesas possam pagar”.