Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Crédito à habitação: Bancos avaliam as casas cada vez mais alto

João Carlos Santos

A avaliação bancária dos imóveis bateu em agosto um novo recorde da última década, ao atingir o valor médio de 1.196 euros por metro quadrado. São mais nove euros do que em julho

A avaliação bancária dos imóveis bateu em agosto novo recorde da última década, ao atingir o valor médio de 1.196 euros por metro quadrado, mais nove euros do que em julho, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE).

A subida da avaliação no âmbito dos pedidos de crédito para a compra de habitação tem sido consecutiva desde janeiro de 2011, pelo menos, o primeiro ano da série analisada pelo INE, quando a avaliação média era de 759 euros, traduzindo um aumento de 437 euros face a agosto deste ano.

Quando comparado com agosto do ano anterior, o valor médio da avaliação das habitações aumentou 74 euros, sendo maior a subida (79 euros) nos apartamentos do que nas moradias (58 euros).

A taxa de variação homóloga mais elevada para o conjunto das avaliações bancárias verificou-se no Algarve (9,6%) e a menor no Alentejo (3,6%).

Nos apartamentos, o valor médio de avaliação bancária em agosto atingiu 1.252 euros por metro quadrado (m2), com o valor mais elevado (1.577 euros/m2) a registar-se no Algarve e o mais baixo no Alentejo (1.012 euros/m2).

Comparando com julho, o Algarve obteve a maior subida (1,7%) e a Região Autónoma dos Açores foi a única a registar uma descida (1,3%). Comparando com agosto de 2017, o Algarve foi a região que mais cresceu (13,2%) e a Região Autónoma dos Açores a que menos aumentou (1,2%).

O valor médio da avaliação para apartamentos T2 subiu 11 euros, para 1.269 euros/m2, enquanto os T3 aumentaram seis euros, para 1.177 euros/m2, representando estas tipologias cerca de 83% das avaliações de apartamentos realizadas em agosto.

Nas moradias, a média da avaliação bancária em agosto foi de 1.102 euros/m2, registando-se os valores mais elevados na Área Metropolitana de Lisboa (1.529 euros/m2) e Algarve (1.454 euros/m2), e o mais baixo na região Centro (962 euros/m2).

Comparando com o mês anterior, de julho, a Região Autónoma da Madeira teve a maior subida (4,8%), e o Norte a menor (0,5%). Comparando com agosto do ano passado, o maior aumento no valor das avaliações de moradias foi na Área Metropolitana de Lisboa (12,6%), registando a única descida na região do Algarve (menos 0,7%).

Quando comparado com o mês anterior, o valor da moradia T3 subiu 17 euros para os 1.091 euros/m2, enquanto a moradia tipo T4 aumentou 13 euros, para 1.127 euros/m2.

Segundo o Índice do valor médio de avaliação bancária1, em agosto, o Algarve, a Área Metropolitana de Lisboa, a Região Autónoma da Madeira e o Alentejo Litoral registaram valores de avaliação superiores à média nacional (29%, 23%, 13% e 4%, respetivamente), enquanto as regiões da Beira Baixa, Beiras e Serra da Estrela e Alto Alentejo apresentaram os valores mais baixos face à média nacional (-30%).