Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Habitação. Preços estão a aumentar mas sem sobrevalorização significativa

FOTO Nuno Botelho

O Fundo Monetário Internacional aconselha a um acompanhamento permanente da evolução do risco que a evolução do mercado imobiliário pode trazer para a banca em Portugal

Em termos reais os preços das casas em Portugal aumentaram 7,9% em 2017, sublinha o Fundo Monetário Internacional na sua análise divulgada esta quinta-feira.

Os técnicos dos FMI explicam que após um declínio de 18% em termos reais sobre os preços da habitação, entre 2010 e 2013, registou-se um aumento desde então de cerca de 20% especialmente em Lisboa, no Porto e na região do Algarve.

Enquanto os aumentos foram impulsionados sobretudo por transações de habitação protagonizadas por cidadãos não residentes, a parte das transações habitacionais financiadas pela banca em Portugal têm vindo a aumentar desde 2015 (atingindo 41% do total no último trimestre de 2017), notam ainda os responsáveis do FMI.

Sinais incipientes de sobrevalorização

Aquela instituição recorda que, no relatório de estabilidade financeira do Banco Central Europeu, publicado no passado mês de maio, era sugerida a existência de sinais incipientes de sobrevalorização do mercado imobiliário residencial. Razão pela qual as autoridades nacionais devem continuar a melhorar a qualidade da informação estatística sobre o mercado imobiliário, bem como a monitorização do mercado hipotecário.

Por outro lado o FMI aconselha a um acompanhamento permanente da evolução do risco que a evolução do mercado imobiliário pode trazer para a banca. O que, por outras palavras, quer dizer que o sector bancário tem de estar mais atento à exposição ao sector imobiliário.

  • FMI quer travar pensões mais altas

    Na análise anual à economia portuguesa, o FMI lamenta que o Governo não tenha avançado com uma reforma estrutural do sistema de pensões e diz que é preciso reduzir direitos adquiridos – a começar pelas pensões mais altas

  • Na análise a Portugal, o Fundo Monetário Internacional dá nota positiva à melhoria do setor bancário, mais capitalizado, mas deixa alertas. É preciso continuar a reduzir o crédito malparado e melhorar mais os níveis de rentabilidade