Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Prémio de risco dispara para dívida italiana

Os juros dos títulos italianos a 10 anos regressaram esta sexta-feira acima da linha vermelha de 3%, o que já não sucedia desde o início de junho, quando esteve ao rubro o risco do novo governo de coligação colocar em cima da mesa uma saída do euro. O spread face ao custo de financiamento da dívida alemã subiu para 260 pontos-base, mais de 120 pontos acima do português. Temor de contágio regressa

Jorge Nascimento Rodrigues

Os juros (yields) dos títulos do Tesouro italiano a 10 anos galgaram esta sexta-feira a linha vermelha de 3%, o que já não se registava desde o início do junho. Já chegaram, durante o início da sessão de hoje, a 3,1% e mantêm-se, agora, ligeiramente acima de 3%.

Em virtude da subida dos juros, o prémio de risco da dívida italiana aumentou para 260 pontos-base, um diferencial de 2,6 pontos percentuais em relação ao custo de financiamento da dívida alemã, que serve de referência na zona euro. Este spread está mais de 120 pontos-base acima do prémio exigido pelos investidores para a aquisição de dívida portuguesa similar.

O disparo dos juros italianos ocorrido em final de maio e início de junho deveu-se ao temor de que o novo governo de coligação entre o Movimento 5 Estrelas e a Liga colocassem em cima da mesa, nesta legislatura, a possibilidade de uma saída do euro com a redenominação para a lira. Os temores de novo surto de turbulência política em setembro estão a agitar o mercado da dívida.

O contágio aos restantes periféricos do euro é ainda limitado esta sexta-feira, mas os juros das obrigações gregas a 10 anos estão a sentir mais a pressão, continuando a subir acima de 4%, o que já não se registava desde finais de junho. Os juros helénicos, naquele prazo, fecharam julho em 3,97%. Os mercados reagiram mal ao facto do Fundo Monetário Internacional ter reafirmado que duvida da sustentabilidade da dívida grega a longo prazo e que as medidas de alívio do serviço da dívida aprovadas pelo Eurogrupo em junho são insuficientes.

Os juros das Obrigações do Tesouro português subiram ligeiramente esta sexta-feira de manhã para 1,81%, depois de terem fechado no dia anterior em 1,79%. Encerraram o mês de junho em 1,74%.