Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Fórum para a Competitividade diz que Portugal desperdiça conjuntura excecional

Nuno Botelho

A conjuntura externa nunca esteve tão favorável como no último ano, mas Portugal não soube aproveitar e "cresceu abaixo da média europeia", afirma Pedro Braz Teixeira, analista do Fórum para a Competitividade. Diz que o desemprego devia estar já nos 4% e que o Governo não faz reformas estruturais

Portugal está a desperdiçar uma conjuntura externa excecional. Em 2017 a economia mundial teve um dos melhores crescimentos de sempre, as taxas de juro estiveram historicamente baixas, o preço do petróleo caiu e, o que é que fez Portugal? “cresceu abaixo da média europeia. Não aproveitou nada desta conjuntura favorável”, nota Pedro Braz Teixeira, do Fórum para a Competitividade, a propósito da nota de conjuntura divulgada esta quinta–feira.

Acontece que, agora, “tudo isto está a dissipar-se e a economia europeia já está a abrandar”. Mas não é tudo pois, segundo aquele analista, há que ter em conta que o balão de oxigénio que tem sido o programa de compra de dívida do Banco Central Europeu pode começar a esvaziar: “como se sabe o BCE prepara-se para rever o seu programa de compra de dívida, com consequências imprevisíveis não só para a economia portuguesa como para a economia europeia em geral”.

Braz Teixeira acusa o Governo de António Costa de não ter tomado qualquer medida de fundo e que se limitou a reverter algumas medidas estruturais que vinham detrás. “Nem de propósito, o Instituto Nacional de Estatística divulgou este mês o 2º Inquérito aos Custos de Contexto, cuja principal conclusão, dizemos nós, é que não houve melhoria em relação ao 1º Inquérito, realizado em 2014”, pode ler-se na nota de conjuntura agora publicada.

“Entre os nove domínios em análise, foi no sistema judicial, nos licenciamentos e no sistema fiscal que as empresas identificaram os maiores obstáculos, à semelhança do registado em 2014. Foi, contudo, no domínio dos recursos humanos que se registou o maior aumento entre 2014 e 2017”, conclui aquele responsável do Fórum para a Competitividade.

Pedro Braz Teixeira explica que, na atual conjuntura o desemprego devia estar já na casa do 4% e não em 7%, apesar de esta ser a taxa mais baixa dos últimos 16 anos. “Com a agravante de muito do emprego que se está a criar é de baixíssima qualidade”, sublinha o mesmo analista.