Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

E a valorização de um bilião de dólares vai para a... Apple

Scott Barbour/Getty Images

Tecnológica ganha corrida à Amazon e torna-se na primeira empresa norte-americana a ultrapassar o patamar de um bilião de dólares na bolsa de Nova Iorque

A empresa da maçã atingiu esta quarta-feira a fasquia dos 1.000.000.000.000 de dólares, ou seja, um bilião de dólares (875.000.000.000 euros). O aumento do valor das ações da Apple para os 207,05 dólares (178,2 euros) permitiu à empresa alcançar este recorde na bolsa de Nova Iorque. Passado pouco tempo o valor de cada ação registou uma ligeira descida, mas a proeza já tinha sido alcançada.

A corrida pelo título de “trillion-dollar company” estava renhida entre a Amazon e a Apple - com alguns analistas a apostarem tudo na primeira, depois de na semana passada esta ter alcançado uma capitalização bolsista de 900 mil milhões de dólares -, mas foi a tecnológica liderada por Tim Cook que levou a melhor. A Apple, aliás, já tinha ultrapassado essa fasquia em novembro do ano passado, numa corrida renhida que incluía ainda a Alphabet e a Microsoft.

Antes dela, em 2007, a petrolífera chinesa PetroChina já tinha conseguido alcançar esta valorização na bolsa de Xangai, mas nos Estados Unidos a Apple é a primeira cotada a consegui-lo.

A valorização da empresa da maçã ocorre um dia depois da empresa fundada por Steve Jobs e Steve Wozniak numa garagem, em 1976, ter apresentado os melhores resultados de sempre no trimestre de junho, que para a Apple é o penúltimo do ano.

A multinacional registou uma subida de 17% nas receitas, para 53,3 mil milhões de dólares (45,9 mil milhões de euros) e lucros de 11,5 mil milhões de dólares (9,9 mil milhões de dólares), superando as previsões dos analistas. Para estes resultados contribuíram essencialmente a venda de iPhones - em particular os mais caros, como o iPhone X, que custa 999 dólares (860 euros) -, wearables (acessórios tecnológicos que podem ser acoplados ao corpo), mas também a procura de serviços como o Apple Music, Store e Play.

“Isto mostra que a visão de Steve Jobs e de Tim cook em garantir que a Apple não se restringe apenas ao hardware está a ser cumprida”, sublinhou o analista da GBH Insights Dan Ives à CNBC.