Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Lucros da Galp disparam 68% com preços do petróleo e gás

José Carlos Carvalho

O aumento da produção e a subida dos preços de venda do petróleo e gás natural impulsionaram os resultados da petrolífera, que se fixaram em 387 milhões de euros, entre janeiro e junho

Os resultados líquidos da Galp Energia atingiram os 387 milhões de euros no primeiro semestre deste ano, um crescimento de 68% face ao mesmo período do ano passado. Entre janeiro e junho de 2018, o EBIDTA, lucros antes de impostos, alcançou 1.038 milhões de euros, mais 239 milhões do que em período hómologo. Ou seja, um aumento de 28% Segundo o comunicado enviado pela petrolífera à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), este salto positivo deveu-se, essencialmente, ao aumento da produção" e à subida dos preços médios de venda de petróleo e gás natural.

Estes resultados estão a impulsionar, esta segunda-feira, o desempenho da Galp em bolsa. Pelas 8h50, as ações estavam a valorizar 0,69%, para 17,63 euros.

Se se tiver em consideração apenas o segundo trimestre do ano, os lucros da companhia cresceram 63%, chegando aos 251% milhões de euros. Da mesma forma, o EBITDA saltou dos 456 milhões de euros, em igual período do ano passado, para os 628 milhões, um crescimento de 38%.

Foi a área de exploração e produção que estimulou os bons resultados da petrolífera liderada por Carlos Gomes da Silva, suportada "pelo aumento da produção e pela subida dos preços de venda de petróleo e gás natural, apesar da depreciação do dólar face ao euros", explica o comunicado. Nesta área, o EBITDA do segundo trimestre mais do que duplicou face ao período hómologo de 2017: cresceu 140%, para 411 milhões de euros. Em termos semestrais, o aumento foi de 101%, para 704 milhões de euros. "A produção média working interest (WI) aumentou 20% em termos homólogos para os 108,1 kboepd, um crescimento suportado pelo desenvolvimento do campo Lula", refere a companhia.

Em contrapartida, a área de refinação e distribuição caiu, tanto no segundo trimestre como nos primeiros seis meses do ano. Entre abril e junho caiu 35%, para 174 milhões de euros, enquanto que, no conjunto dos primeiros seis meses de 2018, a redução foi de 29%, para 295 milhões. esta quebra deveu-se a "efeitos de desfasamento temporal nas fórmulas de pricing na atividade de distribuição resultante do aumentod o preço das commodities" e do câmbio dólar/euro.

Já no que diz respeito à atividade de gás natural e energia, o EBIDTA atingiu 34 milhões de euros, entre abril e junho deste ano, traduzindo uma quebra de 24%, menos 11 milhões de euros, "impactado pelo menor contributo da atividade de trading de GNL, apesar do increscimento dos volumes de trading de rede e dos volumes vendidos a clientes industriais", explica a petrólifera.

Ainda de acordo com o comunicado, o investimento da Galp totalizou 364 milhões de euros, no primeiro semestre, menos 2% homólogos - sendo que 81% deste valor foi alocado à área de exploração e produção. Já a dívida líquida, que se situava nos 1.737 milhões, no final de junho, caiu 8%.

Segundo a empresa, considerando o desempenho operacional durante o primeiro semestro do ano e o maior preço do petróleo, prevê-se agora que o EBITDA do ano de 2018 se situe acima dos €2,1 mil milhões de euros - o que compara com os números avançados em fevereiro deste ano, que previam lucros antes de impostos entre os 1,8 milhões e 1,9 milhões de euros. A petrolífera prevê ainda o investimento mantêm-se entre 1,0 e 1,1 mil milhões de euros.