Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Construção do primeiro parque eólico offshore em Portugal deve arrancar em setembro

WINDFLOAT. Projeto liderado pela EDP explora torre eólica flutuante

MARC PREEL / AFP / GETTY IMAGES

Consórcio liderado pela EDP Renováveis espera construir a primeira central eólica flutuante do país entre setembro deste ano e novembro do próximo. Produzirá eletricidade suficiente para abastecer 60 mil pessoas

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

O consórcio que tem em mãos o projeto Windfloat Atlantic prevê iniciar em setembro a construção do primeiro parque eólico offshore do país, ao largo de Viana do Castelo, devendo a central ficar concluída e pronta a injetar energia na rede em novembro de 2019.

A calendarização do Windfloat Atlantic, que consta do relatório de conformidade ambiental do projeto, mostra que os trabalhos se iniciarão com a perfuração, entre setembro deste ano e janeiro do próximo, do subsolo para a instalação do cabo elétrico submarino (com um diâmetro de 23 centímetros), que será instalado entre abril e setembro de 2019.

As plataformas que sustentarão as três torres eólicas deste parque deverão ficar prontas em junho do próximo ano, devendo aquelas estruturas ser rebocadas dos estaleiros para a sua localização final entre agosto e setembro de 2019. A ligação à rede será feita entre outubro e novembro.

O parque Windfloat Atlantic contará com três aerogeradores. Cada um deles terá 8,4 megawatts (MW) de potência e ficará instalado numa plataforma triangular flutuante. Esta estrutura assenta em três colunas, cada uma com 29 metros de altura e 12 metros de diâmetro, com cerca de 53 metros de distância entre si. A estrutura estará amarrada ao leito do mar. Em cima de cada plataforma ficará uma torre eólica com quase 100 metros de altura.

A central, que sucede a um projeto-piloto que já testou uma estrutura semelhante mas com um aerogerador de 2 MW, terá uma capacidade total de 25 MW e produzirá anualmente 74,5 gigawatts hora (GWh), energia suficiente para o consumo elétrico anual de 60 mil pessoas.

Este primeiro parque eólico offshore é levado a cabo por um consórcio que junta a EDP Renováveis, a Repsol, a Trustwind e a Mitsubishi. O parque beneficiará de uma tarifa garantida de venda de energia à rede de cerca de 100 euros por megawatt hora (MWh), durante 20 anos, a que acresce um subsídio de 19 milhões de euros do Fundo Ambiental.

O relatório de conformidade ambiental do Windfloat Atlantic estará em consulta pública até ao dia 10 de agosto. O projeto já tinha obtido em novembro de 2015 uma declaração de incidências ambientais favorável, mas condicionada, da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte.