Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Bolsas europeias negoceiam mistas após reunião de Trump com Junker

A reunião do Banco Central Europeu, que acontece esta quinta-feira, também está a influenciar os investidores. Em Portugal, o PSI-20 cai, impulsionado pela desvalirzação de mais de 6% das ações daJerónimo Martins

As bolsas Europeias estão esta quinta-feira a negociar mistas, influenciadas pelas contas das empresas europeias e a digerirem os resultados do encontro entre o presidente norte-americano, Donald Trump, e o presidente da comissão Europeia, Jean-Claude Junker. Os dois líderes políticos anunciaram ontem que vão dar início a negociações no sentido de reduzir as barreiras comerciais entre as duas regiões mundiais.

O anúncio está a animar algumas bolsas europeias, embora outras reportem quedas. Cerca das 08:16 horas de Lisboa, o índice Stoxx 600 subia 0,26% para 381,17 pontos, com as principais praças europeias a oscilarem entre os ganhos de 0,65% de França e 0,7% de Atenas, respetivamente, e a quedas de 0,66% de Londres, 0,72% em Madrid, 0,67% em Frankfurt, 1,43% de Milão e a 0,60% de Lisboa, pela mesma ordem.

Os analistas explicaram que os investidores vão estar hoje de manhã atentos às repercussões dos resultados do encontro entre o presidente norte-americano, Donald Trump, e o presidente da comissão Europeia, Jean-Claude Junker.

A atenção centrar-se-á também na reunião do Banco Central Europeu (BCE), o que desviará o foco nos resultados empresariais para a política monetária, salientaram. Espera-se que o BCE consolide as orientações passada na reunião de junho em que falou dos moldes como o programa de compra de dívida terminaria e sobre quando as taxas de juro poderiam iniciar uma subida, cenário que apontou para depois do final do verão de 2019.

O euro, por seu turno, está hoje a apreciar-se ao transacionar-se no mercado de divisas de Frankfurt a 1,1734 dólares, contra 1,1675 dólares na quarta-feira.

Bolsa portuguesa em queda, impulsionada pela Jerónimo Martins

A praça portuguesa inicou-se no vermelho. Pelas 8h50, o PSI20 seguia a perder 0,5%, com a Jerónimo Martins, cujas ações perdem 6,36%, a liderar as quedas do índice. A essa hora, das 18 cotadas no PSI20, 10 desciam, uma mantinha-se inalterada, e sete desciam, num início de sessão em que as congéneres europeias negoceiam positivas influenciadas pelo resultado da reunião entre o presidente-norte-americano, Donald Trump e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Junker.

Os títulos da retalhista Jerónimo Martins estão hoje a afundar 6,36%, para 12,445 euros, recuando para mínimos de 06 de julho, depois de terem sido conhecidos os resultados da dona do Pingo Doce. A Jerónimo Martins alcançou um lucro de 180 milhões de euros no primeiro semestre, mais 3,9% face a igual período no ano passado, mas ficou aquém da previsão dos analistas pelo que surpreendeu o mercado.

A recuar está também a Sonae, que perde 0,61% para 0,973 euros, a EDP Renováveis que desliza 0,40% para 8,765 euros, a Galp que perde 0,32% para 17,085 euros e a EDP que recua 0,23% para 3,437 euros.

As ações da NOS, por sua vez, seguem a perder 0,16% para 4,862 euros.

Em contraciclo, surge a IBersol a avançar 1,97% para 10,35 euros, a Ramada Investimentos e Indústria que sobe 0,99% para 10,20 euros, a Semapa que negoceia em alta de 0,48% para 20,85 euros e a Mota-Engil que ganha 0,35% para 2,9 euros.

Os CTT sobem 0,23% para 3,058 euros, enquanto o BCP avança 0,19% para 0,2679 euros.