Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Efeito Cláudia? Sonae acumula perdas em bolsa

Susana Rodrigues

A Sonae SGPS voltou a a desvalorizar esta sexta-feira em bolsa. Em três sessões acumula uma perda de 4%

Na terceira sessão após do anúncio de que Cláudia Azevedo será a nova timoneira da Sonae, os investidores voltam a castigar a ação do conglomerado que, em faturação, vale 3,2% do Produto Interno Bruto português.

No acumulado, a Sonae perde 4%, depois de ter fechado esta sexta-feira a perder 0,7%. Na quarta feira, a Sonae desvalorizou 1,74% e ontem fechou a perder mais 1,53% (o PSI 20 caiu 0,23% e 0,1%, respetivamente). Na sessão de hoje a desvalorização foi mais suave (0,7%), mas pior que o desempenho do PSI 20 (-0,22%).

Cotação abaixo de um euro

A desvalorização acumulada levou a Sonae a quebrar duas referências simbólicas do seu desempenho bolsista: a cotação ficar abaixo do valor nominal (1 euro) e a capitalização ser inferior à cifra de 2 mil milhões de euros. Fechou a semana a cotar nos 99,1 cêntimos e tem um valor em bolsa de 1990 milhões de euros.

Os analistas reconhecem que "as mudanças inesperadas geram sempre desconforto nos investidores", mas Cláudia tem o crédito de uma reorganização bem sucedida na Sonae Capital. O estágio executivo numa espécie de Sonae pobre, permite à herdeira da família Azevedo aventurar-se pela condução executiva da Sonae rica. Os analistas admitem que passada a efervescência momentânea, o efeito Claudia na cotação será neutro.

Em 2018, a Sonae está entre as cotadas que registam perdas (12%), mas de menor dimensão do que, por exemplo, a Jerónimo Martins. A desvalorização retira 230 milhões ao valor de empresa, um montante semelhante ao que vale em bolsa a Sonae Capital.

Entre os acionistas da Sonae contam-se o BPI (8,9%), a Fundação Berardo (2,5%) e a gestora espanhola de fundos Magallanes Value (2,03%).

Notícia atualizada às 16H40 com as cotações de fecho desta sexta-feira

  • Tal pai tal filha

    A mulher Sonae é “uma rapariga normal”, que dedicou boa parte do seu tempo nos últimos anos a viajar pelo mundo em busca de startups para o grupo e quer “ser frontal” como o pai. Belmiro reconhecia-lhe o seu “killer instinct”