Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Só 30% dos profissionais de tecnologia são engenheiros informáticos

Maioria dos trabalhadores são requalificados ou autodidatas, conclui estudo da Landing.jobs

Radiografia às TI conclui que só 5,4% dos profissionais não têm emprego

Radiografia às TI conclui que só 5,4% dos profissionais não têm emprego

getty

Miguel Garcia licenciou-se em Biologia e chegou a trabalhar na indústria farmacêutica, até decidir que era tempo de escolher uma carreira que verdadeiramente o motivasse. Colocou o primeiro ‘canudo’ na gaveta e voltou à universidade para tirar uma segunda licenciatura em Engenharia Informática. Podia ter tentado uma carreira na área das tecnologias sem essa qualificação adicional? “Em 1999, acho que seria difícil. O mercado, nesta área, ainda não abria muito as portas aos outsiders. Pessoas de outras áreas de formação, mas com gosto e jeito para tecnologia, ainda eram excluídas em processos de contratação”, explica o engenheiro informático, que hoje é líder de equipas.

Desde então o cenário mudou. Dos mais de 100 mil profissionais de tecnologia em Portugal, apenas 30 mil são engenheiros informáticos, avança Pedro Oliveira, fundador e diretor de operações da Landing.jobs. A estimativa parte de um inquérito realizado pela plataforma de recrutamento especializada em tecnologia, entre 2 de maio e 19 de junho, a mais de mil profissionais desta área em Portugal, a que o Expresso teve acesso. Nesse estudo, e ao contrário do que era comum há alguns anos, conclui-se que 21,6% dos atuais profissionais do sector são autodidatas. “Como as universidades não conseguem ‘produzir’ licenciados à velocidade que o mercado exige, cria-se uma oportunidade para absorver muitos profissionais autodidatas — que aprendem através de cursos online — ou reconvertidos de outras áreas e formados para trabalhar no sector”, explica Pedro Oliveira.

Engenharias e matemáticas são as áreas de formação-base mais comuns entre os profissionais requalificados. Mas há outras: biotecnologia, engenharia biomédica e gestão. Mas nada disto é estanque. Embora estas sejam áreas de forte raciocínio lógico, que é essencial nesta área, há outras que não são tão óbvias mas que são também importantes fornecedores de profissionais para o sector. “Já vi grandes programadores provenientes de áreas como o design, a psicologia e a história”, destaca o responsável.

Concorrência feroz

Nos mais de 20 anos de carreira que soma, Miguel Garcia mudou de emprego cinco vezes. Nunca esteve desempregado e garante que “poderia ter mudado muito mais vezes”, se tivesse aceitado os convites que foi recebendo. O engenheiro informático confirma uma outra tendência identificada no estudo da Landing.jobs, que dá conta da forte concorrência entre empresas para recrutar talento. “Quando preciso de reforços para a minha equipa ou identifico-os ainda na universidade (e é cada vez mais importante para as empresas tecnológicas manterem uma relação de proximidade com a academia) ou, se precisar de um perfil mais sénior, tenho de ir à concorrência e tenho de ter argumentos para negociar”, explica. E os argumentos são, garante, cada vez menos financeiros.

Como mostra o estudo, questões como o equilíbrio entre a carreira e a família pesam para uma nova geração de profissionais que está em força no mundo tecnológico. Quase metade dos trabalhadores valoriza um maior equilíbrio entre a vida pessoal e familiar. Mas o tipo de tecnologias com que trabalham (35%), a cultura da empresa (35%), os benefícios (30%) e as perspetivas de progressão (26%) são as questões que mais pesam para eles. A flexibilidade de horários e a possibilidade de trabalhar remotamente, a existência de programas de formação e a atualização de competências e ambientes de trabalho socialmente responsáveis são, segundo o estudo, também valorizados. A esta lista, Miguel Garcia acrescenta ainda o tempo adicional de férias ou dias de trabalho para o desenvolvimento de competências e a possibilidade de trabalhar em equipas multiculturais.

Num mercado altamente competitivo, “qualquer gestor tem de estar atento a estas questões se quiser atrair os melhores profissionais e não perder para a concorrência os que tem”, explica o engenheiro informático. E este é um aspeto crítico, já que, de acordo com o estudo da Landing.jobs, 70,1% dos profissionais tecnológicos recebem, em média, entre uma a cinco propostas de emprego por semana. Mais de 10% recebem entre seis a dez. O fosso entre o número de profissionais disponíveis e as necessidades de talento do mercado, que tem vindo a aumentar, justifica estes números, aumentando a pressão nos salários e a rotatividade no sector.

E desempregados, há? Há, mas poucos. Excluindo os estudantes e os que trabalham por conta própria, os desempregados tecnológicos não são mais do que 5,4%. Alguns por opção. São essencialmente profissionais “que tiram uma licença sabática, que fizeram uma pausa entre trabalhos ou para estudar”, explica o diretor de operações da Landing.jobs. O número de desempregados ‘à força’ “será muito reduzido”, e mesmo nesses casos encontram emprego rapidamente, demorando “entre duas semanas a um mês”.

Cerca de 82% trabalham a tempo inteiro ou parcial. A maioria são programadores e gestores de projeto ou produto. Em menor número estão os profissionais de nicho, como especialistas em segurança ou em desenvolvimento e operação de software. Em matéria de perspetivas salariais, o estudo conclui que estes profissionais esperam uma progressão rápida na carreira e nos salários. Quase 70% têm a expectativa de um aumento salarial anual.