Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Santa Casa e outras misericórdias formalizam entrada no capital do Montepio nesta sexta-feira

Edmundo Martinho vê cada vez mais distante o sonho de ser acionista de um banco

Tiago Miranda

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa vai finalmente assinar um protocolo com a Associação Mutualista Montepio Geral, dona do banco, para entrar no capital do Montepio

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa vai finalmente formalizar a entrada no capital da Caixa Económica Montepio Geral, detida a 100% pela associação mutualista Montepio, liderada por Tomás Correia.

O acordo será assinado sexta-feira, ás 11h30, na Associação do Montepio, em Lisboa. Para isso, a operação terá ainda de ser autorizada pelo conselho geral da Associação numa reunião que decorrerá nesta quinta-feira à tarde e que serve, também, para aprovar as contas consolidadas da Associação relativas a 2017, entre outros pontos de ordem.

Como referiu o Provedor da Santa Casa, Edmundo Martinho, em entrevista ao Expresso publicada em meados de maio, a entrada será simbólica e deverá andar entre os 10 mil e os 100 mil euros. Segundo a TVI, o valor poderá ser de 75 mil euros.

Recorde-se que este processo teve vários nuances. A Associação do Montepio avalia o banco em 1,8 mil milhões de euros, o que significa que a entrada até 2% do capital a formalizar entre as várias misericórdias e a Santa Casa poderá chegar aos 36 milhões de euros, embora numa primeira fase isso possa não acontecer, segundo apurou o Expresso.

Recorde-se que o valor de entrada da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa no Montepio que chegou a ser equacionado rondava os 200 milhões de euros.

  • Edmundo Martinho: “Entrada da Santa Casa no Montepio será simbólica”

    Edmundo Martinho confessa ao Expresso ter ficado surpreendido pelo debate clamoroso e quase indigente quanto à entrada da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) no capital do Montepio. Revela que a entrada no banco acontecerá nas próximas semanas mas será simbólica. Inicialmente passava por duas fases: entrar diretamente no capital e comprar dívida. A avaliação da Haitong andava entre os €1,5 mil milhões e os €1,6 mil milhões. E reconhece que as recomendações do Parlamento ao Governo alteraram a situação