Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Gestor dos Cereais do Alentejo queixa-se. “Para fazer um ‘penico’ é preciso um estudo de impacto ambiental”

Alberto Frias

“O ano até acabou por ser de chuva, mas o problema da falta de água é estrutural”. Se nada for feito, vamos ter repetidamente problemas na agricultura. O gestor da marca Cereais do Alentejo, Fernando Carpinteiro Albino, deixa o alerta e diz que a burocracia esgota a paciência

Já se pode considerar 2018 como um ano de chuva mas, na verdade, continua a haver falta de água em algumas zonas do país – nomeadamente na região de Beja e Elvas - e Fernando Carpinteiro Albino, gestor da marca Cereais do Alentejo, diz que não se pode dormir sobre o assunto, pois é demasiado grave para ser ignorado.

“Precisamos de mais água nas barragens e de construir mais, muitas mais, pequenas barragens e charcas. Caso contrário vamos ser confrontados com graves problemas para a produção de alimentos”, sublinha aquele gestor, que é também um dos maiores produtores de cereais do país, com mais de 1000 hectares cultivados.

Assim “não vamos a lado nenhum”

O problema, porém, segundo o mesmo responsável, é que, “para se fazer um ‘penico’ é preciso um estudo de impacto ambiental e, senhor ministro, não há paciência para isto. Esta espécie de burocracia arrogante ou ignorante tem de acabar, pois assim não vamos a lado nenhum”.

O gestor e empresário Carpinteiro Albino falava ontem ao início da noite, em Lisboa, perante uma plateia onde estava Capoulas Santos, ministro da Agricultura – num evento dedicado ao lançamento de massas alimentícias 100% nacionais, à base de cereais alentejanos.

“Eu sei que esta mensagem é mais para o seu colega do Ambiente mas, como não está aqui, por favor transmita-lhe o recado”, pede o responsável da marca Cereais do Alentejo.

Ministro diz que os jipes comprados com subsídios foram ‘um mito’

Capoulas Santos ouviu, acenou que sim com a cabeça, e depois subiu ao palanque para discursar. Elogiou a atitude de luta e persistência dos produtores de cereais alentejanos, destacou a importância do produto 100% nacional que ali estava a ser lançado mas, sobre a questão da burocracia, nem uma palavra. Falou de água na agricultura, mas para dizer que vai continuar a haver apoios ao regadio – e que vêm aí mais de 500 milhões de euros para o efeito.

O ministro infletiu depois o discurso no sentido do que está a correr bem na agricultura em Portugal, que agora conhece níveis de investimento nunca vistos, com os pedidos de acesso aos fundos comunitários a ultrapassarem largamente as verbas disponíveis.

Regou abundantemente de números as frases que lhe foram saindo de forma solta mas enfática e recordou que, afinal, “o mito dos jipes que se compravam com os fundos comunitários e de que os apoios eram mal aplicados” não colhe. É que, “tendo em conta o que hoje se está a passar na agricultura – a crescer mais que o resto da economia – então é porque os fundos foram bem aplicados em Portugal”.