Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Euro cai num cenário de tensão política e comercial

Euro, que também recuou face ao iene, tem estado pressionado pela incerteza em torno da coligação governamental alemã, de acordo com analistas

O euro caiu nesta terça-feira face ao dólar, com a tensão política na Alemanha em torno dos refugiados e o conflito comercial entre Washington e Pequim. Cerca das 18h00 (hora de Lisboa), o euro seguia a 1,1570 dólares, quando na segunda-feira ao final da tarde negociava a 1,1619 dólares.

O euro, que também recuou face ao iene, tem estado pressionado pela incerteza em torno da coligação governamental alemã, de acordo com analistas. Na segunda-feira, a direita alemã impôs um prazo de duas semanas à chanceler Angela Merkel para negociar uma solução europeia para o desafio migratório e evitar que o país feche as fronteiras.

A chanceler alemã disse que vai procurar soluções para a crise migratória à escala europeia e bilateral, após as divergências manifestadas nos últimos dias com o seu ministro do Interior, Horst Seehofer (da CSU, direita bávara). Os investidores têm estado também atentos ao conflito comercial entre as duas maiores economias do mundo, Estados Unidos e China.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, ameaçou na segunda-feira à noite que vai impor taxas alfandegárias suplementares de 10% sobre importações chinesas que ascendem a 200 mil milhões de dólares, em resposta às represálias chinesas pelas tarifas que tinha imposto.

Em comunicado divulgado pela Casa Branca, Trump argumentou que "foram tomadas medidas suplementares para encorajar a China a mudar as suas práticas injustas e a abrir o seu mercado aos bens norte-americanos".

Na semana passada, Trump já tinha anunciado a imposição de tarifas alfandegárias de 25% sobre importações chinesas que ascendiam a 50 mil milhões de dólares, o que suscitou uma resposta idêntica por parte de Pequim.

A China reagiu hoje considerando que a nova ameaça dos Estados Unidos é "uma chantagem" e advertiu que tomará "medidas enérgicas" em resposta.