Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Icelandair pede mais duas semanas para avaliar ida à privatização da Sata

O grupo islandês pediu à Sata mais duas semanas para fazer uma “análise mais minuciuosa” da informação antes de decidir se avança com uma proposta vinculativa à privatização da Sata Internacional. É a segunda vez que a Loftleioir Icelandic pede um alargamento do prazo

O grupo Icelandair é o único candidato à privatização de 49% da Sata Internacional, subsidiária do grupo açoriano Sata. E já pediu o adiamento do prazo para entrega de uma proposta vinculativa duas vezes. O novo prazo termina a 26 de junho, o anterior foi dia 12 de junho.

O prazo para a apresentação da proposta vinculativa foi prorrogado até ao dia 26 de junho. A prorrogação foi solicitada pela Loftleioir Icelandic, que justificou o seu pedido com a necessidade de efetuar uma análise mais minuciosa à informação”, explicou a Sata em comunicado.

O processo de privatização de 49% da Sata Internacional arrancou no início do ano, mas ficou praticamente deserto. Apenas uma empresa, a islandesa Loftleioir-Icelandic, manifestou interesse em participar. A Sata Internacional tem 630 trabalhadores e uma frota de 5 aviões.

O grupo Sata apresentou um prejuízo de 14,1 milhões de euros em 2016. Os resultados de 2017 ainda não foram publicados, apesar de estar um curso um processo de privatização. A este prejuízo está associada uma divida de 154 milhões de euros e a um EBITDA de apenas 1,7 milhões de euros.

  • Ou a Icelandair avança esta semana ou privatização da SATA fica deserta

    O relógio está a contar. O grupo Icelandair, o único candidato à privatização de 49% da SATA Internacional, deverá confirmar esta semana – ao que tudo indica na terça-feira – se avança ou não com uma proposta vinculativa. Se não o fizer, o processo de privatização daquela subsidiária da companhia aérea açoriana ficará sem candidatos. Processo tem levantado dúvidas à Comissão de Trabalhadores, que tem acusado a administração de “má gestão”