Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

O que é que os jovens preferem quando optam pela agricultura?

getty images

Investem sobretudo nos produtos hortícolas e nos pequenos frutos, com destaque para as framboesas, mirtilos, amora e groselha. Os jovens investem principalmente na região Centro, mas também no Alentejo

A crise dos últimos anos empurrou muitos jovens para fora do país mas, muitos dos que não saíram, acabaram por optar pela agricultura.

Dados oficiais apurados pelo Ministério da Agricultura indicam que, entre os jovens que optaram pela lavoura, há uma opção clara pelos investimentos em hortícolas. Dos 2.914 projetos de financiamento aprovados até ao final do primeiro trimestre deste ano, ao abrigo do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR 2020), 522 recaíram precisamente sobre a área da horticultura.

Logo a seguir vêm os projetos de investimento nos pequenos frutos (494), onde se incluem muitos dos frutos silvestres, onde agora Portugal começa a dar cartas, mesmo ao nível das exportações – com largo destaque para a framboesa, o mirtilo, a amora e a groselha. Basta referir que no ano passado 90% da produção de mirtilos e framboesas da região Centro seguiu para o estrangeiro.

767 milhões de euros já aprovados

Curiosamente, quase tão procurada como a área dos pequenos frutos está a ser a da pecuária, para onde foram encaminhados 493 projetos de investimento. Recorde-se que, apesar das ‘guerras’ de preços – entre a produção e a distribuição – Portugal continua a ser um país altamente deficitário neste domínio, pelo que continua a haver espaço para crescer, embora em concorrência aberta com alguns dos principais produtores europeus.

Com 480 projetos para novos investimentos está a área designada por ‘Pomar’, onde se inclui sobretudo a produção de pera, maçã e laranja.

Os projetos dos jovens agricultores estão a desenvolver-se maioritariamente no Continente (62%), com os restantes 38% nas ilhas. Os homens dominam nesta incursão pelo investimento agrícola em todas as regiões do país. Apesar de tudo, é na zona Norte que as mulheres empresárias marcam mais posição, com 40% do total dos investimentos.

Dos 767 milhões já encaminhados para projetos de jovens agricultores, é a região Centro do país que se mostra mais dinâmica, pois acolheu 36% daquele valor. Segue-se o Alentejo, com 30% e o Norte, com 27%.